Por que o Acre desponta na frente de alguns estados amazônicos nos resultados para Covid-19?

Situação privilegiada de ter um laboratório de infectologia faz com que os acreanos sejam testados todos os dias, mas isolamento ainda é a maior arma para conter disseminação

O Acre tem uma ‘carta na manga’ quando o assunto é avaliação de casos de Covid-19 na região. É o Centro de Infectologia Charles Mérieux, implantado em 2016, a princípio, para estudar e desenvolver tratamentos a pessoas acometidas por hepatites virais no estado.

O laboratório francês, que em território nacional só existe no Acre e na Bahia, está em Pequim, na China, e tem sede em Lyon, na França, todos conectados para promover pesquisas e oferecer exames de doenças infectocontagiosas.

A situação privilegiada em relação a muitos estados permite que o Acre saiba diariamente os diagnósticos de Covid-19, já que as amostras são enviadas ao Charles Mérieux todos os dias.

“Isso acontece por causa do processo de avaliação que é dinâmico e ao horário diário de fechamento de dados à frente, inclusive, do mapa nacional do Ministério da Saúde”, explica Tania Bonfim, técnica responsável pela Área de Influenza e Covid-19 da Sesacre.

Isso justifica o fato de Rondônia, por exemplo, sofrer com atrasos nos números confirmados da doença, já que todos os testes feitos até agora no estado vizinho foram enviados diretamente para o Instituto Evandro Chagas, em Belém, instituição para a qual o Acre também envia as suas contraprovas.

Para se ter uma ideia da celeridade que o Mérieux proporciona, do dia 17 ao dia 24 deste mês, apenas três contraprovas retornaram do Instituto Evandro Chagas, dos 21 casos já testados positivo para a doença no estado.

Essa condição impacta, inclusive, na contabilidade dos casos no mapa do Ministério da Saúde. Por isso, é preciso esclarecer, sobretudo aos profissionais de imprensa, que por muitas vezes existirá uma diferença entre os números apresentados pelo Ministério da Saúde e os repassados pelo estado.

Atualmente, a política de testagem considera apenas pacientes graves, profissionais de saúde e os familiares destas duas categorias que estejam com os sintomas.

 

Agência


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.