Gladson afirma que governo está criando ambiente favorável para o desenvolvimento do Acre

Cátedra Barão do Rio Branco reúne organizações mundiais no debate sobre desenvolvimento sustentável na Amazônia e conduta empresarial responsável no Brasil

Durante a segunda edição da Cátedra Barão do Rio Branco, o governador Gladson Cameli afirmou nesta sexta-feira, 23, que o Acre só irá alcançar, de fato, o pleno desenvolvimento social e econômico por meio da geração de emprego e renda. Para que isto aconteça, o gestor afirmou que é preciso assegurar o ambiente favorável para a instalação de novas empresas.

“Todos os dias estamos trabalhando para que o Acre esteja preparado para gerar emprego e renda por meio da iniciativa privada, incentivando, principalmente, a instalação de empresas que tenham interesse de ter o Acre como parceiro”, argumentou.

“Quero dizer aos senhores que o Governo do Acre está irmanado na construção de um ambiente empresarial propício para o desenvolvimento regional com respeito aos direitos trabalhistas. Com respeito aos direitos à dignidade e à proteção de cada indivíduo, resguardando a condição humana de cada trabalhador”, completou.

Cameli destacou ainda a posição geográfica privilegiada do estado acreano. Além de fazer fronteira com dois países andinos que são um mercado em potencial, a proximidade com o continente asiático é estratégica para o estabelecimento de uma nova rota comercial internacional.

“Com o oceano Pacífico aqui perto, estamos muito mais próximos dos grandes mercados asiáticos que os nossos irmãos do Sul e do Sudeste. E esta condição nos permite uma posição estratégica para a logística de grandes empresas”, explicou.

O evento realizado pela Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO) entre os dias 19 e 23 de agosto trouxe debates como o desenvolvimento sustentável da região amazônica e a conduta empresarial responsável no Brasil.

A cátedra é prestigiada por representantes da União Europeia, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Organização para Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE), de duas universidades internacionais, representantes de ministérios do governo federal, autoridades e estudantes locais.

 

Agência