Rio Branco realiza trilha da Luta Antimanicomial no Horto Florestal

O Dia Nacional da Luta Antimanicomial, celebrado em todo país, em 18 de maio, marca o fim dos manicômios no Brasil e a reforma psiquiátrica. Em alusão a data, a Prefeitura de Rio Branco, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA), em parceria com o Núcleo de Saúde Mental da Secretaria de Saúde do Estado realizou a trilha da Luta Antimanicomial na manhã da sexta-feira, dia 17, no Horto Florestal.

Usuários dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e funcionários da rede de saúde mental de Rio Branco, protagonizaram uma caminhada silenciosa nas trilhas do Horto Florestal, em referência à política de assistência aos utentes, por meio da liberdade e da inclusão social. Antes de pegar as trilhas um café da manhã foi servido, pelos organizadores, aos participantes do evento.

A enfermeira Vanessa Velasco, coordenadora técnica da área de saúde mental da Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA), destacou o trabalho do Grupo Livre Expressão, realizado toda semana, pela Prefeitura no Horto Florestal, e o empenho do município na luta antimanicomial. “A trilha terapêutica é uma proposta de terapia coletiva para as pessoas que frequentam os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e que estão na atenção básica de saúde”, disse.

Evandro José Castelo, tem 53 anos, é usuário da rede de saúde mental e faz um alerta. “Os servidores são maravilhosos, porém, é preciso força de vontade do usuário. A dependência química traz abstinência de várias maneiras, no meu caso, sinto muitas dores no corpo, os servidores são muito respeitosos, ajudam em tudo que podem, mas é preciso que queiramos se libertar”, adverte.

“Hoje, aqui no Horto, a ideia é confraternizar, articular os serviços, aumentar a comunicação entre trabalhadores e usuários. Agente está propondo uma trilha terapêutica, com os aspectos do encontro com a natureza, conectar-se com você mesmo, e ao final, compartilhar impressões”, disse psiquiatra da Universidade Federal do Acre, Jonsos Nunes Júnior, que acompanhou o grupo de usuários durante a trilha.

Outros Eventos

A Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA), por meio da Diretoria de Assistência à Saúde (DAS), preparou uma vasta programação, na capital, alusiva ao 18 de maio, “Dia da Luta Antimanicomial” que vai até o próximo dia 28 Ferroviária de Louveira.

A programação inclui performances artísticas como Sarau: A Voz Antimanicomial, reunião festiva, para ouvir música, conversar, dançar, com os usuários do serviço CPS II Sumaúma, localizado à Rua Vênus, no Morada do Sol.

Também na URAP Cláudia Vitorino (Taquari), uma exposição sobre Consultório na Rua e Unidades de Saúde de Referencia a População em Situação de Rua.

Na quinta-feira, 16, ocorreu encontro sobre Saúde Mental e Direitos Humanos, no Lago do Amor, próximo ao Tucumã, com rodada de conversa: o cuidado em liberdade, com a participação de Emelym Daniela, coordenadora do Centro de Atenção Psicossocial – CAPS Sumaúma II e Wilyane Goldim, usuária.

No sábado 18, Dia da Luta Manicomial o evento será na Praça da Revolução, a partir das 8h. E nos dias 24 e 28 às 8h Rodada de Conversa sobre saúde mental na URAP Roney Meireles e Rodada de Conversa sobre saúde mental na Atenção Básica na URAP Cláudia Vitorino.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.