NOTA DE PESAR

NOTA DE PESAR

É com pesar que comunicamos o falecimento do empresário Francisco Messias Cameli, irmão do ex-governador Orleir Cameli (in memoriam) e tio do governador Gladson Cameli.

Aos 73 anos, Chiquinho, como era conhecido pelos amigos e familiares, era o primogênito da família Cameli e irmão de Eládio Cameli, pai do governador Gladson Cameli.

À família enlutada, as mais sinceras condolências dos servidores do Governo do Estado do Acre, rogando a Deus que o receba como digno merecedor da Luz Divina.

Que o Senhor conforte os corações de todos neste momento de tanta tristeza.

Wherles Fernandes da Rocha

Governador em exercício do Estado do Acre

Rio Branco, 18 de maio de 2019

 

Meus amigos! Acordei com uma triste notícia. E é com muito lamento que comunico a todos o falecimento do meu tio, o empresário Francisco Messias Cameli, ocorrido na madrugada deste sábado, 17, na cidade de Manaus.  Ele tinha 73 anos e foi vítima de câncer no pulmão. Não tenho palavras para descrever para vocês quem era meu tio Chiquinho pela emoção que invade meu coração agora e me deixa até mesmo sem o que ele mais amava fazer com as pessoas: despertar o sorriso, as gargalhadas, as piadas. Sinto uma profunda dor, aquela saudade que sei que nunca vai passar, e a certeza de que nossa família perde mais um homem que sempre lutou para vencer na vida com trabalho e dignidade. Aos meus primos, minhas tias, meu pai Eládio (o terceiro dos filhos os quais o tio Chiquinho era o primogênito), à todos que tiveram o privilégio de conviver com meu amado tio, deixo minhas sinceras condolências e a certeza de que a alegria, a humildade e o amor, verdadeiramente, prevaleceram em sua caminhada nesta terra.

Gladson Cameli

 

Profundamente consternada pela notícia do falecimento de Chiquinho Cameli, meu cunhado e irmão querido de meu saudoso companheiro Orleir. A amizade, o carinho extremo de irmãos que sempre mantiveram também com o caçula Eládio, sempre foram para mim e para toda a família o exemplo de unidade, de respeito, de amor. 
Pela idade próxima, Chiquinho, o primogênito, sempre agiu como o protetor e mesmo o mentor de Orleir e sempre me emocionei em presenciar essa ligação exemplar. Chiquinho era a bússola da família, sempre a apontar para os caminhos da ética, do trabalho e da dignidade.
Esse patriarca, esteio de uma grande família, deixa filhos, netos e bisneto. A todos, sempre ensinou os valores que também aprendeu, como seus irmãos, com o pai Marmud e a mãe Marieta, de honra e acima de tudo, de que só o trabalho com afinco pode realizar o homem.
Junto com Chiquinho, vai também mais um pouco da memória de Orleir, do tempo em que aprendiam os segredos da vida no seringal, nas curvas do rio, na pequena escola mantida por sua tia que lhes ensinou as primeiras letras, no internato dos padres espiritanos. As primeiras batalhas do trabalho árduo, já com o irmão caçula e sempre amigo e companheiro, Eládio, a conquista da excelência nos negócios, o grande salto empresarial da vida dos três irmãos.
Imensamente triste, mas consciente da importância de Chiquinho Cameli e certa de que ele soube transformar sua vida em sucessivos exemplos de superação e realizações, expresso, junto com meu filho Linker,  a todos os parentes e amigos minha eterna saudade e peço ao Senhor que o acolha junto com Orleir, para que continuem nos inspirando sempre. 

Beatriz Cameli e Linker Cameli