Turistas expulsos do Peru por danos a Machu Picchu já estão na Bolívia

Por Wanglézio Braga

Quinze anos. Esse é o tempo que os brasileiros Cristiano da Silva Ribeiro (30) e Magdalena Abril (20), o chileno Favián Eduardo Vera (30) e os argentinos Nahuel Gómez (28), Leandro Sactiva (32) vão ficar impedidos de entrar na República do Peru após serem detidos e julgados por danificar o famoso Templo do Sol na cidade inca de Macho Picchu construído com blocos de granito há cerca de seis séculos atrás, para adorar o Sol, a maior divindade dos incas.

Os turistas teriam entrado em áreas proibidas onde defecaram, segundo as autoridades peruanas. Os seis entraram clandestinamente no sábado (sem registrar ou pagar os ingressos) para a cidade e se esconderam para passar a noite dentro, o que é proibido.

Ontem (16), as autoridades peruanas iniciaram o processo de deportação dos estrangeiros que foram detidos no último domingo (12). Os turistas foram para a Bolívia por meio da fronteira da cidade de Desaguadeiro às margens do lago Titicaca. Eles foram escoltados pela polícia. Vídeos do momento da deportação e a entrada no solo boliviano passaram a circular nas redes sociais.

O tenente Edward Delgado, da Polícia de Cusco, explicou que agentes da Divisão de Imigração transferiram os cinco estrangeiros em um ônibus de Cusco para a fronteira boliviana, em uma viagem de nove horas em estradas íngremes dos Andes.