Professores do Acre seguem movimento nacional e marcham contra Reforma da Previdência e cortes na educação

Por Wanglézio Braga

Professores e profissionais da Educação do Acre também participaram da Mobilização Nacional contra os cortes propostos pelo Governo Federal através do Ministério da Educação (MEC). Assim como em todos os estados brasileiros, por aqui, os manifestantes ocuparam as ruas e espaços públicos. Em Rio Branco a concentração ocorreu na Universidade Federal do Acre (UFAC) e no centro da capital mais precisamente no Obelisco Rio Branco.

Nas escadarias do monumento, representantes dos sindicatos, políticos e transeuntes dispararam inúmeras críticas contra o Governo Bolsonaro que evidencia um desmonte na educação pública, no ensino superior, com anúncios de cortes de verbas destinadas ao pagamento de terceirizados, luz, água e outros serviços essenciais para a vida das universidades e instituições do país.

Um a um, membros das Centrais Sindicais defenderam o ensino público de qualidade, agendas voltadas às reivindicações salariais e marcharam contra a Reforma da Previdência que tramita no Congresso Nacional.     

Nos últimos dias, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac) tem convocado nas portas dos colégios os servidores para a Greve Nacional da Educação e movimentos contrários a Reforma. Rosana Nascimento, presidente do SINTEAC, ao usar da palavra conclamou os colegas para participarem do ato mesmo em Rede Social ou em grupo forçando os parlamentares que atuam em Brasília para que façam alguma coisa diretamente. Ela defendeu que todo tipo de apoio, seja de forma independente ou em grupos, são bem vindos. A fala dela diz respeito a vereadores do PT e PCdoB que marcaram presença nos eventos e foram vaiados.  

Após as manifestações no “Obelisco Rio Branco”, o grupo transferiu o ato para a Casa Azulada - gabinete civil do Governo Gladson Cameli. Por lá, eles bloquearam a Avenida Brasil e o trânsito ficou bastante complicado para quem precisou trafegar no centro da cidade.

Os profissionais discursaram e pediram sensibilidade do governador, do PP, para que não apoie a reforma da previdência proposta por Bolsonaro. Recentemente o governador acendeu o pavio das críticas ao defender em rede social que é favorável e que vai chamar a bancada federal para votar favorável a reforma. Gladson não está em Rio Branco, Wherles Rocha assumiu o posto.

Cameli participa da caravana que levou o presidente Bolsonaro aos Estados Unidos para receber congratulações em Dallas, no Texas, da Câmara de Comércio Brasil-USA.

OUTRAS PAUTAS

CORREÇÃO DOS PERCENTUAIS DA FORMAÇÃO DE ESPECIALIZAÇÃO, MESTRADO E DOUTORADO NA TABELA TANTO DOS PROFESSORES QUANTO DE FUNCIONÁRIOS.

RETORNO DOS DIREITOS DE PROGRESSÃO, PROMOÇÃO REENQUADRAMENTO, LICENÇA PRÊMIO, VDP AOS SERVIDORES NÃO CONCURSADOS INGRESSADOS ATÉ 1988.

CORREÇÃO DAS GRATIFICAÇÕES DE 15% PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL DOS PROFESSORES DA REDE, LOTADO OS CENTROS ESPECIALIZADOS.

REVISÃO DOS SALÁRIOS DOS GESTORES DE ESCOLAS QUE ESTÃO MENORES DO QUE OS COORDENADORES DE ENSINO. CALENDÁRIO DE PAGAMENTO EXCLUSIVO AOS APOSENTADOS.

REAJUSTE DO PISO DO MAGISTÉRIO. PISO PROFISSIONALIZADO AOS FUNCIONÁRIOS DE ESCOLA. EQUIPARAÇÃO SALARIAL DOS PROVISÓRIOS COM OS EFETIVOS. REAJUSTE SALARIAL DAS PERDAS DOS ANOS DE 2016, 2017 E 2018. REAJUSTE AS GRATIFICAÇÕES DOS COORDENADORES ADMINISTRATIVOS.

GARANTIR QUE OS PROVISÓRIOS RECEBAM PELA FORMAÇÃO. DEDICAÇÃO EXCLUSIVA AOS FUNCIONÁRIOS DE ESCOLA. CONCURSO PÚBLICO AOS TECNÓLOGOS DA EDUCAÇÃO E ADMINISTRATIVO E SECRETARIO ESCOLAR. SAÚDE DO TRABALHADOR (ATENDIMENTO PSIQUIÁTRICO E PSICOLÓGICO) E OUTROS. PAGAMENTOS DAS RESCISÕES DOS PROVISÓRIOS. PAGAMENTO DOS 45 (QUARENTA E CINCO) DIAS DE FÉRIAS DOS PROVISÓRIOS.