Investidor peruano está interessado em fechar parcerias comerciais com o Acre

Financiador de grandes empreendimentos peruanos nas áreas de mineração, petróleo e pescado há mais de 40 anos, o investidor Carlos Penny Bidegaray está entusiasmado com a possibilidade de expandir seus negócios para o Acre.

Bidegaray mostrou-se interessado, sobretudo, na Peixes da Amazônia. O empresário já financia, no Peru, um grupo japonês responsável pela maior produção de pirarucu em cativeiro.

“Fiquei muito animado ao ouvir como o governador Gladson Cameli está empenhado em estreitar nossas relações comerciais e, como investidor, estou interessado em conhecer a Peixes da Amazônia e na torcida para que possamos firmar algum tipo de parceria comercial para que o peixe do Brasil chegue até nós”, explicou.

Na atualidade, o Peru é o maior produtor de óleo e farinha de peixe do mundo. Vislumbrando agregar esse potencial adquirido pelo país vizinho, o governador Cameli convidou Carlos Penny para conhecer a estrutura do empreendimento público-privado. O investidor peruano acenou que a viagem deve ocorrer em julho.

“Acredito que chegou o momento de Brasil e Peru estreitarem suas relações comerciais. Falo isso porque ainda há uma resistência muito grande de empresários peruanos investirem no Brasil por causa das barreiras comerciais que foram impostas nos últimos anos e isso nos afastou. Quem sabe a nossa visita ao Acre pode ser um marco desta nova integração? Eu estou muito otimista”, pontuou.

De imediato, Gladson Cameli colocou seu governo à disposição para ajudar no que for preciso para que esta parceria seja efetivada. O gestor disse ainda que não medirá esforços para que a tão sonhada integração se transforme em realidade e proporcione o desenvolvimento da população dos dois países.

“A Peixes da Amazônia é um claro exemplo de que o Estado não tem que se meter na iniciativa privada e no que depender de nós, já acenamos para o investidor peruano que o governo tem total interesse que aquele empreendimento volte a funcionar por meio do capital privado e eu estou muito feliz por essa possibilidade de parceria com o Peru porque, além de fortalecer a nossa produção de peixe, vamos estar gerando emprego e renda para a nossa população”, salientou.

Por decisões políticas equivocadas da gestão passada, o empreendimento quase foi a falência poucos anos após a sua inauguração. Desde que assumiu a administração estadual, Cameli tem deixado claro que o Estado não pode interferir na iniciativa privada para que outros erros, financiados com dinheiro público, não sejam cometidos.

 

Agência