Durante curso de marcenaria, reeducandos aprendem técnicas para fabricação de esquadrias

A profissionalização é uma importante ferramenta no processo de ressocialização de presos. Assim, o Governo do Estado do Acre, por meio do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), oferece o segundo módulo do curso de marcenaria para apenados do regime fechado.

No primeiro módulo, os reeducandos aprenderam técnicas para o trabalho com móveis em MDF. Já neste segundo, com a participação de 13 apenados, são abordadas as técnicas para fabricação de esquadrias em madeira. O curso que teve início na última sexta-feira, 8, é oferecido no Núcleo de Capacitação Profissional em Tecnologias e Usinagem em Madeira do Iapen e tem a duração de 60 horas.

De acordo com a gerente de Trabalho e Produção, Dalvani Azevedo, a estrutura de uma marcenaria possibilita o desenvolvimento de atividades tanto teóricas quanto práticas. “Aqui os apenados estão sendo capacitados e aperfeiçoados, já que este é o segundo módulo, durante o qual eles têm a possibilidade de ampliar os conhecimentos adquiridos”, disse.

Ela destacou ainda que o formato da capacitação só é possível diante da parceria entre todas as instituições do governo. “Um exemplo é o da Secretaria de Indústria, Ciência e Tecnologia que cedeu o espaço do antigo Polo Moveleiro para a criação do Núcleo de Capacitação Profissional em Tecnologias e Usinagem em Madeira do Iapen”, ressaltou

O presidente do Iapen, Lucas Gomes, destacou a importância da capacitação profissional como ferramenta de reinserção social dos reeducandos. “É necessário pensar o sistema penitenciário como um espaço de passagem. As pessoas que se encontram em situação de prisão, mais cedo ou mais tarde retornarão ao convívio social e precisam estar preparadas para isso. O Iapen tem buscado capacitá-las para esse retorno”, afirmou.


 

Agência