Cansados de promessas, servidores do Pró-Saúde dizem que vão radicalizar se não forem recebidos pelo Governo

Por Wanglézio Braga 

A cena se repetiu. Servidores do Pró-Saúde ocuparam as dependências da Assembleia Legislativa do Acre (ALEAC) para pedir aos deputados que intercedam junto ao governo do Estado uma reunião ou resolvam de forma definitiva a situação de mais de 850 servidores que continuam indecisos na gestão pública. 

Hoje (11) os profissionais realizaram um protesto na frente do Obelisco Rio Branco onde cobraram urgentemente uma reunião com o Governador Gladson Cameli e também repudiaram a forma como o executivo vem tratando a causa dos funcionários. A maioria não poupou nos discursos e chegaram a dizer que se o executivo não atender a categoria uma greve geral deve ocorrer assim como bloqueio de pontes e de ruas.

"Pedimos ao governador que cumpra a sua promessa de regularizar o Pró-Saúde. Por enquanto ele só quer saber de prometer e não cumprir. Ele disse que ia fazer um grupo para analisar junto a PGE o viés jurídico porque o ato político ele faria, mas até agora ficou parado. Acredito que isso seja mais um ato politico do jurídico'', Jean Lunier, vice-presidente do SINTESAC.

Jean Lunier comentou sobre o projeto aprovado pela Assembleia Legislativa do Acre, no ano passado, que contemplou a categoria, mais segundo ele, houve um vício de iniciativa tendo em vista que a ideia deveria sair do executivo e não do legislativo como ocorreu.  

No legislativo, os servidores foram recebidos por membros da Comissão de Saúde da ALEAC. Os deputados da base governista prometeram intermediar em mais uma reunião. Vale lembrar que Gladson Cameli está fora do Acre, embarcou na última segunda-feira (10) para o Peru.