Alcoólicos Anônimos: 84 anos ajudando na libertação do vício

Por Wanglézio Braga

“Eu vivia largado na rua, bêbado nas calçadas, brigava muito com a minha família quando aparecia em casa e pra piorar fui jurado de morte por um dono de bar por que não pagava o que consumia. Passei a tomar perfume, depois o tampa azul e fui parar no álcool de posto de gasolina. Perdi a dignidade, perdi o amor dos meus filhos, não apoiei quando precisavam, apenas causava problemas. Não tinha forças para sair do vício, todo mundo virava as costas pra mim, fui humilhado e internado por diversas vezes no Pronto Socorro. Mas, Deus foi bom e enviou um amigo para levar aos Alcoólicos Anônimos e lá pude refazer a minha vida e sair do vício das drogas e do álcool. Posso dizer; hoje estou livre”.

O relato que você acabou de ler é de J. L. S um senhor de 61 anos, aposentado, morador do bairro José Augusto, pai de quatro filhos, avô de duas netas, porém, separado que conseguiu a bem pouco tempo se livrar do vício do álcool graças a uma intervenção do grupo “Alcoólicos Anônimos” (AA) que atua Rio Branco desde a década de 80.

Histórias como essas passaram a serem frequentes, afinal de contas, milhares de pessoas foram ajudadas a deixar o vício por meio das ações do AA em todo o mundo. A data 10 de junho é especial. Em 1935 ocorreu a primeira ação na cidade de Akron Ohio, Estados Unidos, liderado por um médico e um corretor da Bolsas de Valores que tinham sérios problemas com o alcoolismo. Dali em diante, o luta do AA foi difundida.  

No Brasil, o AA foi instalado em setembro de 1947. Um publicitário americano veio trabalhar no país e utilizou alguns folhetos em espanhol formando o grupo Rio Nucleus no mesmo prédio em que funcionava a Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

Mais tarde, o AA chegou às terras acreanas, exatamente em 27 de fevereiro de 1980. Por aqui recebeu o nome de Grupo Central Dom Giocondo Maria Grotti e desde a sua fundação no Acre funciona numa sala anexa à Igreja Santa Inês, no bairro Bosque. Na primeira reunião, 13 pessoas estiveram presentes todos com o mesmo intuito de ajudar, amparar os que pediam socorro.

A organização cresceu. Está presente também no Vale do Juruá. O 2 de fevereiro de 1982 marcou as primeiras atividades em Cruzeiro do Sul. Um norte-americano formou o grupo com ajuda de um padre alemão e duas freiras, também alemãs.

A comunidade está em festa. Atividades especiais são organizadas em todas as unidades do AA tanto no Acre quanto no Brasil e no mundo. Para registro, em 2019, o AA completa 39 anos em Rio Branco, 72 anos no Brasil e 84 de atuação no mundo.

“Foi aqui que eu aprendi a fazer o primeiro passo, admitir que sou impotente perante o álcool e o álcool me derrubou. Perdi tudo o que eu tinha! Os verdadeiros amigos estão dentro da sala de alcoólicos anônimos. Eu recomendo para todos que precisem de ajuda, que procurem. Que deixem ser ajudados. Não tenham medo, o AA do Acre só quer ajudar”, ressaltou uma senhora de 46 anos que vem sendo assistida pelo grupo.

Para conhecer o trabalho do AA, o escritório convida a população acreana a comparecer na Rua Coronel José Galdino, 478, Bosque, de segunda a sexta-feira das 7hs às 12hs. Outras informações através do 3224-9449.

SAIBA ONDE ENCONTRAR UMA UNIDADE DO AA MAIS PRÓXIMO DA SUA CASA:

Grupo Raio de Sol

Tv. da Catedral, 8 - Centro, Rio Branco - AC, 69900-094.

Grupo Floresta

Rua São Peregrino, 386 - Tancredo Neves, Rio Branco - AC, 69918-310.

Grupo Nova Vida

Rua Valdomiro Lopes, 56 - Vila Ivonete, Rio Branco - AC, 69914-460.

Grupo União das Placas

Rua Doze de Outubro, 385 - Placas, Rio Branco - AC, 69914-800.

Grupo Primeiro Passo

R. Ari Rodrigues, 525 - Aeroporto Velho, Rio Branco - AC, 69903-560.  


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.