Alunos de projeto social da PM participam de cursos no 5º Batalhão

Engana-se quem pensa que o trabalho da Polícia Militar é exclusivamente prender suspeitos de crime e realizar patrulhamento preventivo. Mais do que isso, pelo menos no Acre, a Polícia Militar tem desenvolvido um papel de grande relevância, promovendo projetos e atividades sociais, que alcançam todos os dias centenas de jovens, crianças e adolescentes, tirando-os da ociosidade e das garras do crime.

Um dos projetos mais bem vistos pela sociedade acreana tem sido o projeto “Em forma com o 5º Batalhão”. Alunos de escolas públicas que vivem em regiões periféricas e em situação de vulnerabilidade social, recebem aulas de jiu jitsu três vezes por semana e, através de uma parceria entre a Prefeitura de Rio Branco e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), agora são incluídos em cursos profissionalizantes.

“Nós aproveitamos que o Senac estava em busca de um local para realizar os cursos que são ministrados em uma unidade móvel e oferecemos o espaço, na condição de que dessem oportunidade ao maior número de alunos possíveis do projeto. Aqui eles estão recebendo aulas práticas de informática básica, manutenção de computadores e curso de cabeleireiro. Para nós é um prazer enorme proporcionar essa oportunidade, pois vão sair daqui já capacitados e prontos para entrar no mercado de trabalho, com certeza estamos fazendo a diferença na vida dessas crianças”, disse o comandante do 5º Batalhão, Major Ayrton Leitão.

O projeto “Em forma com o 5º Batalhão” começou muito timidamente em 2017, com poucos equipamentos abraçando aproximadamente 40 alunos entre 12 e 17 anos, selecionados de escolas públicas da parte alta da cidade. Hoje, como apoio de outras instituições e o repasse de recursos, já adquiriram materiais como tatame e equipamentos de treino, garantindo a continuidade dos trabalhos. Dos 85 alunos que fazem parte do projeto atualmente, 30 participaram de um campeonato de jiu jitsu na semana passada e 15 voltaram para casa com medalha de ouro.

“Levamos 30 para o campeonato e quase todos voltaram com medalhas, 15 delas de ouro, o que nos leva a acreditar que estamos trabalhando no caminho certo. Esse ano ainda vamos promover o campeonato deles, em que vamos graduá-los de acordo com o tempo de treino, entregar prêmios e proporcionar a eles uma festa muito bonita. É um trabalho muito gratificante acompanhar os alunos e sua evolução”, explicou o sargento da PM e instrutor de defesa pessoal, Ricardo Ferreira.

O estudante Lúcio Nascimento, de 16 anos, é morador do bairro Eldorado e faz parte do projeto da Polícia Militar. Já com a faixa azul no jiu jitsu ganhou o campeonato na sua categoria em primeiro lugar, trazendo consigo a medalha de ouro. Ele também foi inserido no programa de capacitação profissional e hoje recebe aulas de informática básica pelo Senac.

“Eu conheci o projeto através da escola. Meu amigo me chamou e comecei a participar. Desde então tenho me dedicado, não falto nenhuma aula e cumpro os requisitos para permanecer no projeto. Sobre o curso de informática eu só tenho a agradecer, porque minha família não teria condições de proporcionar o curso para mim e hoje é o que mais exigem no mercado de trabalho”, finalizou agradecendo o estudante.

 

 

Agência


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.