O Rio Branco

Hoje é 18 de Abril de 2019

Geral

Acre não acompanha tendência nacional de queda em números da inadimplência

06 de Fevereiro de 2019 às 17:32:33

“O Acre não segue regra nacional na diminuição do endividamento”. Esta é a opinião do assessor da Presidência da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC), Egídio Garó, ao analisar Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) na última terça-feira (5). O não pagamento do 13º salário aos servidores públicos em dezembro de 2018 e o uso excessivo do cartão de crédito seriam os principais fatores para o desequilíbrio financeiro do acreano.

Nacionalmente, o índice de famílias endividadas alcançou os 60,1 por cento em Janeiro de 2019, uma queda em relação aos 61,3 por cento registrados no mesmo período do ano passado. Além disso, o estudou apontou que o total de inadimplentes – os que possuem dívidas ou contas em atraso – também caiu em relação a janeiro de 2018, registrando 22,9 por cento neste mês em comparação aos 25 por cento em relação ao ano passado. A pesquisa mostrou, também, que diminuiu o número de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas, caindo de 9,5 por cento em janeiro de 2018 para 9,1 por cento deste ano.

Garó explicou que a situação acreana não é favorável por conta, dentre outras questões, de responsabilidades de início de ano, como gastos com materiais escolares e pagamento de impostos. “Mas o que leva mais ao endividamento do consumidor é a questão do uso do cartão de crédito. Um uso consciente deve permitir que haja uma redução mais significativa na questão do endividamento do consumidor”.

Garó também chamou a atenção para as promoções que estimulam o uso do crédito. “Com esse incentivo o cliente pode se endividar e a responsabilidade não é da empresa, já que houve o pagamento, feito por uma administradora desse cartão. Quem perde, mais uma vez, é o consumidor, que cai numa bola de neve”, ensinou o economista e assessor da Fecomércio/AC.




Compartilhar