Com diplomatas, Gladson Cameli discute integração do Acre com a Itália

Governador recebeu o cônsul-geral da Itália, Felipo La Rosa e do vice-cônsul do país, Claudio Guastella, no seu gabinete

O governo do Estado e o governo da Itália iniciaram as primeiras conversas para a possibilidade de que o país europeu desenvolva parceria comercial e turística com o Acre, nesta segunda-feira, 2, em visita do cônsul-geral da Itália, Felipo La Rosa, e do vice-cônsul do país, Claudio Guastella, ao gabinete do governador Gladson Cameli, no Palácio Rio Branco.

À representação da república italiana, Cameli falou do potencial regional e que o Acre vem se preparando para crescer economicamente com respeito ao meio ambiente, convidando os italianos a participar desses investimentos, sobretudo com o ecoturismo e com a interligação aérea.

“Estivemos em 2019 organizando o estado. Aprontando-o para o crescimento econômico que virá nos próximos anos e acho que a Itália poderia ser uma parceira importante para nós”, afirmou o governador.

Da sua parte, Felipo La Rosa pediu que o estado forneça um portfólio dos setores promissores que podem ter a contribuição das empresas italianas para que seja remetido à Embaixada italiana em Brasília.

“Temos um carinho imenso pelo Acre e por toda a Amazônia, porque, embora a colônia italiana seja maior no Sul e no Sudeste do país, é aqui na região Norte que tivemos também a colaboração importante dos segmentos católicos italianos em praticamente todas as comunidades”, afirmou o cônsul-geral.

O governador e os diplomatas conversaram sobre a possibilidade de um voo ligando Manaus ao continente europeu que facilitaria o fluxo de turistas italianos para o Acre, já que por São Paulo é muito mais caro, e vice-versa, com acreanos embarcando para a Itália via Manaus.

Para os representantes do governo italiano, o governador entregou peças artesanais em marchetaria com temas amazônicos, e também foi presenteado. Uma visita à Embaixada da Itália pelo governador ficou acertada para fevereiro.

 

 

Agência


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.