Gripezinha? Campeão olímpico e ex-zagueiro do Milan narram pesadelo com coronavírus

Medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, o nadador Cameron van der Burgh fez um relato forte, mas que serve de alerta: jovens não estão imunes aos efeitos mais nocivos da Covid-19.  

O sul-africano de 31 anos goza de um preparo físico de fazer inveja para qualquer pessoa. Atleta e dono de uma capacidade pulmonar gigantesca, ele declarou enfrentar problemas para fazer atividades simples. 

Nas redes sociais, o nadador declarou que o novo coronavírus “é, de longe, o pior vírus que eu já encarei”, registrou em postagem feita na última segunda-feira (22). 

“Apesar de ser um indivíduo saudável, com pulmões  fortes (não fumar/praticar esportes), viver um estilo de vida saudável e ser jovem”, completou o atleta. 

Cameron, que venceu o ouro nos 100 metros rasos em Londres, faz um alerta: “A Covid-19 não é piada”. 

“Ainda que os sintomas mais severos (febre alta) tenham diminuído,  sinto ainda um forte cansaço e uma tosse residual que não consigo me livrar. Qualquer atividade física, como andar, acaba me deixando exausto por horas”, encerrou. 

Outro depoimento que acende o sinal vermelho para os que ainda debocham da pandemia (o que vocês estão pensando?), é o do ex-zagueiro italiano Paolo Maldini. O antigo capitão do Milan disse que está bem e deve se recuperar dentro de uma semana. 

Mesmo assim, o ex-atleta de alto rendimento narrou os momentos mais difíceis que atravessou desde que testou positivo para a doença. 

“Como todos os atletas, eu conheço meu corpo. As dores são particularmente fortes, sentimos um aperto no peito. É um novo vírus, as lutas físicas contra um inimigo que não conhece. Tive os primeiros sintomas em 5 de março, dor nas articulações e músculos, 38,5 ° de febre, não fiz o teste até terça-feira e o veredicto de positividade chegou dois dias depois. Idem para o meu filho Daniel, que teve uma forma mais fraca”.

 

Hypeness

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.