Presidente da Uefa desconfia de novo e bilionário Mundial de Clubes: 'Não sei para onde vai essa ideia'

Em entrevista ao jornal The Guardian, o presidente da Uefa (União das Federações Europeias de Futebol), Aleksander Ceferin, mostrou desconfiança com o novo Mundial de Clubes da Fifa após a pandemia de coronavírus.

Ceferin, que sempre foi um opositor da nova competição desenhada por Gianni Infantino, que terá 24 equipes e premiações bilionárias, revelou, inclusive, que os patrocinadores que bancariam o novo torneio "sumiram" pelo momento.

"(O novo Mundial de Clubes) Foi apresentado a nós (da Uefa) como se um fundo fosse comprar a competição e toda essa competição seria vendida. Nós não tivemos mais informação do que isso, e até agora não tenho muita informação. O único que sei é que esse fundo sumiu, e, para ser honesto, não sei para onde essa ideia vai agora", afirmou.

"Nós não discutimos muito sobre isso. Não sei nem exatamente quando esse Mundial de Clubes será jogado. Portanto, não acho que seja uma coisa que tenha que me preocupar de forma urgente", complementou.

O cartola ainda ironizou Infantino por dizer que planeja diminuir a quantidade de partidas jogadas por times nos próximos anos.

"Eu sempre quis entender o que ele quis dizer com isso. Porque é estranho você dizer que quer reduzir o número de partidas e, em seguida, propor a criação de uma nova competição, chamada Mundial de Clubes. Isso é reduzir?", questionou.

Vale lembrar que o novo Mundial de Fifa, que estava marcado para 2021, deve ser jogado apenas em 2022 ou 2023, já que a Copa América, a Eurocopa e as Olimpíadas tiveram todas que serem adiadas para 2021.

Ceferin também foi cético quando questionado se achava que o futebol sofreria transformações profundas após a crise da Covid-19.

"Não acho que irá mudar para sempre. Estamos passando por uma nova experiência agora (com a adoção de protocolos sanitários para retorno do futebol), mas, assim que esse maldito vírus for embora, as coisas voltarão ao normal", apostou.

"O futebol não mudou depois da II Guerra Mundial, ou da I Guerra Mundial, e não irá mudar também por causa do vírus", comparou.

"As pessoas disseram já muitas vezes que o mundo nunca mais será o mesmo. Talvez seja verdade. Mas meu ponto de vista é: por que não pensar que o mundo será melhor após o vírus? Por que não pensar que finalmente seremos mais inteligentes, entendendo o quão frágil a humanidade é, o quão desprotegidos somos em relação à natureza? Há muitas lições a serem aprendidas", dissertou.

 

ESPN


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.