Após primeiro jogo do ano, São Paulo já tem um jogador pedindo passagem

A derrota por 2 a 1 para o Eintracht Frankfurt não é parâmetro para muita coisa, já que o São Paulo vinha de um período curtíssimo de treinos, obviamente insuficiente para uma equipe que acaba de voltar das férias, está cheia de caras novas e busca aplicar um estilo de jogo agressivo difícil de azeitar. Mesmo assim, já há um jogador pedindo passagem.

Liziero, volante de 20 anos, foi o melhor atleta são-paulino na partida. Ele integrou a equipe do segundo tempo, que também teve os experientes Nenê e Diego Souza como destaques positivos.

O único gol do Tricolor na partida, aliás, foi construído pelos três. Liziero foi agressivo na marcação, como Jardine pede, fez um desarme no meio de campo e saiu em disparada com a bola dominada até que chegasse a hora de acionar Diego Souza, que fez a assistência para Nenê marcar.

Ações como as de Liziero nesta jogada - e em várias outras - são fundamentais para uma equipe que se propõe a ser protagonista do jogo, para usar um termo bastante repetido pelo técnico do São Paulo. Jucilei e Hudson, os volantes titulares, não são habituados a executá-las. São bons marcadores, mas dificilmente quebram linhas ou chegam com qualidade na frente.

Até houve uma jogada no primeiro tempo em que tanto Jucilei quanto Hudson deram passes que furaram a defesa alemã e levaram o Tricolor adiante. No mesmo lance, Hudson foi para a área para tentar concluir o cruzamento de Helinho, algo repetido minutos depois em uma bola alçada por Reinaldo. Era muito difícil vê-lo tão avançado com Diego Aguirre, mas com Jardine já se tornou comum. O problema é que falta cacoete.

Com Liziero na vaga de um dos dois titulares, Hernanes ganharia um grande aliado na construção das jogadas e a equipe provavelmente não perderia poder de marcação. É uma alteração que parece inevitável. 

Nenê, com um posicionamento diferente, mais aberto pela direita, também pedirá passagem se mantiver o nível nas próximas partidas. O mesmo se aplica a Diego Souza, mais eficiente no pivô do que Pablo, que começou jogando. Neste caso, é provável que Jardine ainda procure uma maneira de usá-los juntos.

No time que jogou o primeiro tempo, a melhor notícia foi Helinho. Participativo, corajoso e inteligente com ou sem a bola no pé, o garoto mostrou que venderá caro sua vaga de titular. 

O "time A" do Tricolor teve Tiago Volpi, Bruno Peres, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo; Jucilei, Hudson e Hernanes; Helinho, Everton e Pablo. O "time B" jogou com Jean, Igor Vinícius, Lucas Kal, Bruno Alves e Léo Pelé; Willian Farias, Araruna e Liziero; Nenê, Everton Felipe e Diego Souza.

 

Lance

 

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.