Bolsonaro convoca reunião de emergência sobre crise na Venezuela

O presidente Jair Bolsonaro fará uma reunião nesta terça-feira (30) para discutir a situação na Venezuela, após o líder da oposição, Juan Guaidó, declarar que obteve apoio de militares para depor o presidente Nicolás Maduro.

De acordo com o vice-presidente, Hamilton Mourão, participarão da conversa com Bolsonaro um representante do Gabinete de Segurança Institucional, o Ministério da Defesa, o Ministério das Relações Exteriores, além do próprio vice-presidente.

“Eu estou sabendo [sobre a crise na Venezuela] só o que foi divulgado hoje de manhã. O presidente vai fazer uma reunião às 12h30 sobre o assunto. Aqui na sala dele”, disse o vice-presidente na saída de seu gabinete.

Em entrevista coletiva nesta manhã, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o Brasil acompanha “minuto a minuto” o que acontece na Venezuela.

Segundo o chanceler, o governo considera positivo que exista um movimento de militares venezuelanos em apoio a Guaidó, mas ainda aguarda mais informações para saber como está a situação no país latino.

Durante sua fala, Araújo reforçou o apoio brasileiro para um processo de transição democrática na Venezuela e disse que espera a participação dos militares.

Em fevereiro, Guaidó se encontrou com autoridades brasileiras em uma visita ao Palácio do Planalto. 

Mais um capítulo

A crise na Venezuela ganhou um novo capítulo nesta manhã, quando Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional e autoprocalamado presidente interino da Venezuela, afirmou que um grupo de militares estaria ao seu lado, apoiando a deposição de Nicolás Maduro da presidência do país.

“Hoje, os soldados valentes, os patriotas, os valentes homens apegados à nossa constituição atenderam ao nosso chamado […] O primeiro de maio começa hoje. Hoje acaba a usurpação”, diz Guaidó em um vídeo gravado ao lado de militares venezuelanos.

 

Guaidó também convocou o povo para ir às ruas “recuperar a liberdade”. “Povo da Venezuela, começou o o início do fim da usurpação. Neste momento estou com as principais unidades militares das nossas Forças Armadas para dar início a fase final da Operação Liberdade”, disse em tuíte.

 

 

Exame.com