O Rio Branco

Hoje é 22 de Fevereiro de 2016

Acre

Prefeito de Capixaba clama por ajuda para coibir tráfico de drogas na fronteira

29 de Fevereiro de 2016 às 08:09:53

Wanglézio Braga

O prefeito de Capixaba, Otávio Varêda (PR), não sabe mais a quem recorrer quando o assunto é o tráfico desenfreado de drogas no município. Gerindo uma cidade vizinha a Bolívia, onde algumas drogas são liberadas para o consumo, o executivo clama por ajuda da bancada acreana em Brasília (DF) para que consigam viabilizar junto ao governo federal uma solução imediata.

Varêda esteve na Redação do Jornal O Rio Branco para relatar o que vem ocorrendo de mais grave no município que é um dos principais corredores para se chegar a “Estrada do Pacífico”. A cidade tem somente aproximadamente 11 mil habitantes, porém, é penalizada pela insegurança que vem do outro lado, da Vila Evo Morales (Bolívia).

O prefeito disse em entrevista que jovens e adultos da região estão sendo influenciados para a vida no tráfico tendo em vista que não existe fiscalização na área de fronteira e pela facilidade de encontrar variedades de entorpecentes. Mesmo com a presença da Polícia Militar (PM), que faz um serviço operante e assertivo próximo aos limites territoriais, traficantes bolivianos vêm agindo sem intimidações.

Por ser tratar de fronteira e cumprir o que determina a Lei Internacional, a PM e a polícia Civil não podem fazer muita coisa. Sem um posto das Forças Armadas no município, a qual tem poderes para controlar a fronteira, a ação de criminosos é livre.

“Nós estamos com um problema muito grave, com alto índice de circulação de drogas na cidade. Já enviamos até três funcionários nossos para centros de recuperações por causa do uso de crack. De bicicleta, os jovens vão à Bolívia, e em menos de dois quilômetros conseguem cocaína, crack, maconha e ervas. São produtos vendidos nos comércios, em cima das mesas do lado boliviano”, relatou Otávio.

O prefeito relatou também que foi recentemente aberta uma estrada boliviana que interliga vários outros vilarejos. Essa estrada serve para o tráfico de drogas e descaminho de carros e motocicletas roubados no Brasil. “A ousadia é tamanha que já chegaram a entrar na casa de uma família em Capixaba, renderam todos, pegaram a caminhonete para levar pro lado boliviano. Por essa facilidade da estrada, tudo ficou mais fácil e atrativo no mundo do crime”, comentou.

Varêda disse também que algumas áreas pertencentes aos brasileiros foram tomadas pelos bolivianos para o plantio da folha de coca, pois existe um projeto de construção de uma refinaria da folha na região. “Se isso vier acontecer, nós estamos literalmente mortos”, alerta o executivo.

Temendo o pior, o prefeito pediu intervenção urgente dos deputados e senadores do Acre junto ao Ministério da Defesa para que o governo federal tome uma providência como, por exemplo, a implantação de um posto do Exército na região.

“Os municípios de Plácido de Castro, Brasiléia, Assis Brasil possuem esses postos. Por que ainda não instalaram um em Capixaba? Nossa cidade precisa e com urgência. Por isso peço ajuda aos parlamentares que intercedam por nós”, finalizou.




Compartilhar