Secretário de Saúde Alisson Bestene visita hospital regional do Alto Acre

O secretario de saúde do Acre, Alisson Bestene e assessores, dando continuidade às visitas nas unidades de saúde de todo o Estado, esteve neste sábado na cidade de Brasiléia, para fazer uma visita técnica ao antigo e novo hospital, afim de saber como está recebendo os mesmos.

A exemplo dos hospitais localizados em Cruzeiro do Sul e Tarauacá, o hospital Raimundo Chaar que foi praticamente abandonado pela gestão anterior, vinha se deteriorando com o tempo e descaso, até ter maioria de sua funcionalidade trocada para o novo. Mas, a parte administrativa, de cozinha e lavanderia, ainda funciona no antigo.

 

Cozinha, lavanderia e parte administrativa ainda está sendo realizados no antigo hospital.

“Estamos realizando essa avaliação técnica em todas a unidades do Estado. Pudemos ver que ainda existem algumas dificuldades que tem de ser trabalhado o mais rápido possível. O Secretário de Infraestrutura Thiago Caetano já esteve aqui e está preparando um relatório da parte estrutural para que possamos entregar ao governador. Estamos trabalhando para ocupar com todos os equipamentos necessários e os profissionais”, pontuou o Secretário.

Destacou que entende das dificuldades financeiras e que possam vencer as barreiras e trazer melhorias para a regional o mais rápido possível. Sobre sua primeira impressão sobre o novo hospital, acredita que irá atender toda a regional do Alto Acre, que é composta por quatro municípios, sem que tenham de se deslocar para a Capital.

 

Diretor do hospital, Rodrigo Santiago (camisa branca), esteve acompanhando o secretário durante visita no hospital Wildy Viana.

Um dos pontos que é necessário uma atenção, será a parte de eletricidade do hospital, devido seu grande porte que pode afetar a cidade de Brasiléia. A instalação imediata de uma subestação irá fazer com que toda a unidade possa trabalhar sem afetar a parte externa.

 

Secretário aconselha um plebiscito aos moradores através da Câmara se for importante mudar o nome para o antigo.

Foi perguntado ao Secretário, mesmo sendo um assunto de segundo plano, sobre a possibilidade de mudança do nome do hospital. Para Alisson, seria interessante a realização de uma espécie de plebiscito, partindo da Câmara Municipal, uma vez que todo o trabalho administrativo ainda é realizado em nome do hospital Raimundo Chaar.

Para o vereador Joelso Pontes (PP) que esteve acompanhando a visita a convite do Secretário, destacou os problemas que ainda vem sendo destacado após a inauguração do novo hospital, Wildy Viana.

 

Vereador Joelso Pontes destacou a visita do secretário e equipe para ver in loco a situação da saúde no hospital.

“Mesmo com a construção do novo hospital, os problemas ainda continuam mesmo sendo entregue em duas etapas não está atendendo em sua totalidade. Nossa visita é para estar cientes desses entraves e poder fazer as devidas cobranças”, destacou o vereador.

Destacou que o novo governo, na pessoa do Secretário, está empenhado para que a saúde regional volta a ser como anos atrás. “20 anos atrás, se faziam procedimentos que hoje não acontece mais devido a falta de estrutura. É lamentável que de um tempo para, uma simples fratura no pé seja motivo de ser enviado para a Capital e mesmo com profissionais aqui, não se tem a estrutura mínima para eles”, disse o vereador.

 

 

OALTOACRE


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.