Tião Viana entrega última etapa do Hospital do Alto Acre completando R$ 82 milhões em investimentos

Consolidando um investimento de R$ 82 milhões entre infraestrutura e equipamentos, o governador Tião Viana entregou na manhã desta quinta-feira, 20, a última etapa do Hospital Regional do Alto Acre Wildy Viana.

Maior projeto de infraestrutura de toda a gestão de Tião Viana na área de saúde, o Hospital do Alto Acre possui mais de 12 mil metros quadrados construídos. Só nesta última etapa foram entregues as alas que correspondem ao terceiro bloco de enfermagem, centro cirúrgico e obstétrico, necrotério, cozinha, refeitório e lavanderia, além do bloco administrativo.

A unidade foi projetada para atender uma população de mais de 100 mil pessoas de toda a região do Alto Acre, que compreende os municípios de Brasileia, Epitaciolândia, Xapuri e Assis Brasil e também dos países vizinhos como Peru e Bolívia, que procuram atendimento do lado brasileiro da fronteira.

"Hoje é a entrega definitiva desse Hospital que está preparado para cuidar dessa região pelos próximos 20 anos. O que a gente espera é que aqui seja o berço de uma faculdade de medicina no futuro, que agregue todas as especialidades também. É uma das maiores obras do estado e seguramente o mais bonito hospital que o Acre tem hoje. E ele está completamente pronto para acolher, dar dignidade e vida para essa população. Agora é cuidar e levar pra frente", conta o governador.

Uma revolução

Com a entrega, o Hospital torna-se referência para a população no suporte de média e alta complexidades do Alto Acre, gerando economia aos cofres públicos com a diminuição de pacientes que precisavam do Tratamento Fora de Domicílio (TFD), além de proporcionar maior conforto e comodidade aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Com mais de 300 atendimentos por dia, o Hospital tem feito uma verdadeira revolução na região. A estrutura dispõe de ambulatório, urgência e emergência, leitos de terapia semi-intensiva, repouso dos funcionários, observação, radioimagenologia, laboratório, enfermaria, administração, refeitório, cozinha, apoio e serviços, medicamentos, abrigo de resíduos, centro obstétrico, centro cirúrgico e repouso, entre outros setores.

Os 91 leitos da unidade estão assim divididos: dez de urgência e emergência, cinco no semi-intensivo, dez de observação, 61 de enfermarias (22 adultos, 22 leitos infantis e 17 pediátricos) e cinco no centro obstétrico. Já a maternidade registra entre dois a seis nascimentos por dia.

Para a prefeita de Brasileia, Fernanda Assem, essa é uma conquista que só seria possível com o apoio do governo. “É uma mudança muito positiva para nossa região. O antigo Hospital Raimundo Chaar não apresentava mais nenhuma condição para que a gente pudesse atender toda essa comunidade. E diga-se de passagem, poucos estados do Brasil possuem um hospital [público] como esse agora. E eu quero cumprimentar o governador Tião Viana porque mesmo diante de tanta crise que enfrentamos, ele cumpriu esse compromisso com o Alto Acre”.

O prefeito de Epitaciolândia, Tião Flores, completa: “É uma das obras mais importantes do governo Tião Viana. E aqui agradeço ele pelo empenho, dedicação e carinho que ele teve com a região do Alto Acre, com a entrega completa desse hospital”.

Fortalecimento de serviços

Segundo o secretário de Obras Públicas, Átila Pinheiro, esse é o encerramento do ciclo de obras do Hospital Regional do Alto Acre. Além disso, só em equipamentos foram investidos este ano mais de R$ 1,7 milhão para aquisição de materiais como bisturis elétricos, camas, ventilador pulmonar, monitores multiparâmetro, CR - Sistema de digitalização de imagens, conjunto odontológico completo, além de diversos outros.

O secretário de Saúde, Rui Arruda, reforça a importância da conclusão das obras de infraestrutura: “Entregamos a obra toda. Essa é uma unidade que olha para o futuro. A concentração dos serviços estão todos aqui, com uma qualidade nova, equipamentos novos, mobiliário novo. Agora vamos começar a implantar os serviços que estão faltando para que a população seja atendida em todas as suas necessidades”.

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.