Governador de Pando sai ileso da crise na Bolívia e pede paz na fronteira com o Acre

Por Wanglézio Braga

O clima tenso visto nos últimos dias na Bolívia, ao que parece, vem dando lugar ao sossego e acalmaria. Desde a renúncia do agora ex-presidente, Evo Morales, até a autoproclamação da nova presidente interina do Estado Plurinacional, Jeanine Áñez, anunciada ontem (12), trouxeram alívio para figurinhas políticas do departamento vizinho, de Pando, na fronteira com o Acre. Por lá, o prefeito de Cobija, Luís Gatty Ribeiro e o governador de Pando, Luiz Flores Roberts não seguiram a tendência da renúncia e muito menos foram impedidos.

Em meio aos protestos em Cobija, a casa de Luiz Flores Roberts foi apedrejada. De um lado, alguns repudiavam o seu apoio a Evo Morales para mais um mandato. Do outro, opositores ao Governo de Roberts encenavam um impedimento por não ter poderes suficientes para desbloquear as pontes bem como a fronteira com o Acre onde caminhões com combustível e mantimentos foram impedidos de entrar no departamento.  

Atrelado a turbulência na fronteira, o restante do país mostrava um cenário pior e bem divido mesmo com a queda de Evo Morales. Protestos violentos pipocaram de norte a sul. A casa de Evo em La Paz, uma loja de sua irmã, a residência do ex-vice-presidente foram alvos de rebeldes. Quem apoiava Morales e era contra os conflitos, passaram a aderir aos protestos e nas redes sociais grupos marcavam invasões e duelos. Por conta do caos, políticos e membros religiosos passaram a pedir a pacificação do país.

O governador de Pando, Luis Flores Roberts usou as redes sociais para agradecer aos moradores por não aderirem aos movimentos extremistas e disse que “prevaleceu a fé, a união e a amizade no seu departamento”.  Horas antes de escrever no Facebook, Flores convocou a imprensa para esclarecer que não estaria mobilizando pessoas da zona rural em prol de Evo que é do mesmo partido, o MAS.

“Agradeço a todos os funcionários e secretários do Governo Autônomo de Pando, aos fazendeiros indígenas de Pando, a membros da igreja e seus pastores, e especialmente à cidadania pandina por ter optado pela paz do Departamento. Prevaleceu a fé, a união e a amizade neste departamento. Que Deus continue abrigados com seu manto protetor a pando e a Bolívia”, escreveu Luis Flores.

Enquanto isso, na praça principal na frente do Palácio do Governo, a população realizou uma corrente de oração pregando união e paz. “Com uma oração temos pedido à população que retornem às suas casas, o mais importante é que prime à paz na Bolívia e no Departamento, que não haja rancor nem ódio entre os pandinos que a solução seja pacífica e democrática, recebemos a oração dos pastores para que nos dê sabedoria aos líderes políticos, civis, militares que devemos cuidar da vida e da integridade do povo”, ressaltou o governador.