Rio Acre transborda e desabriga as primeiras famílias em Brasiléia e Cobija

Por Wanglézio Braga

As águas do Rio Acre começaram a chegar aos principais pontos turísticos na Fronteira do Brasil com a Bolívia. Na manhã de hoje (08) a famosa Praça de Brasiléia, a Hugo Poli, recebeu grande fluxo de água decorrente da cheia do manancial e consequentemente ruas da zona central da cidade ficaram alagadas. Algumas famílias tiveram que deixar suas casas e foram atendidas pela Prefeitura Municipal.

Desde ontem (07), os moradores aguardavam pela vazante. Ao jornalista Alexandre Lima, o Secretário de Obras de Brasiléia, Carlinho do Pelado, comentou que a vazante pode estar demorada devido dois grandes afluentes (Noaia e Banana), mas foi registrado que o aumento do nível a cada hora está mais lento. O monitoramento disponibilizado por meio de aplicativos ligados à Agência Nacional de Águas (ANA) marcou 11 metros.

Em Epitaciolândia por está localizado na parte alta os contratempos ainda são menores. Porém, alguns bairros apresentam volumosos acúmulos de água. Pontes podem ter os seus acessos bloqueados.

Em Cobija, capital do departamento de Pando, a situação é um pouco mais delicada.  Pelo menos 30 famílias foram desalojadas dos bairros Cataratas, Mapajo e Junin. A polícia departamental está ajudando a retirar as primeiras famílias atingidas. Os desabrigados foram levados para um ginásio no centro daquela cidade.