Rio Branco e Cruzeiro ganham destaque por ampliarem recursos na Educação, em 2018

Por Wanglézio Braga

No mesmo dia em que alunos da rede estadual de ensino fizeram um protesto contra a medida de extinguir o ensino médio do Colégio Acreano, uma boa notícia, enfim, foi divulgada na área da educação no Acre. As cidades de Rio Branco e Cruzeiro do Sul ganharam destaque por ampliar recursos na área de educação em 2018. Um levantamento feito pelo anuário Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil, da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), aponta as cidades selecionadas da Região Norte que ampliaram os recursos aplicados em educação em 2018.

Segundo o documento, dos 16 municípios analisados, cinco tiveram retração no gasto na área, sendo três capitais. Em sua 15ª edição, a publicação utiliza como base números da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apresentando uma análise do comportamento dos principais itens da receita e despesa municipal, tais como ISS, IPTU, ICMS, FPM, despesas com pessoal, investimento, dívida, saúde, educação e outros.

Araguaína (TO) apresentou a maior alta das cidades avaliadas: 19,2%, passando de R$ 127,7 milhões em 2017 para R$ 152,2 milhões aplicados em 2018. Destaques também para a capital acreana, com alta de 18,3% – ampliando de R$ 144,6 milhões para R$ 171,1 milhões, no período analisado e Cruzeiro do Sul, com 14,8% e Marabá (PA), com 12,1%.

Das capitais, além de Rio Branco (AC), outras três registraram ampliação na despesa com educação em 2018: Palmas (TO), de 5,6%; Manaus (AM), de 3,9%; e Porto Velho (RO), de 1,5%. Por outro lado, Belém (PA) teve a maior queda entre as cidades selecionadas: 11,3%, caindo de R$ 501,8 milhões em 2017 para R$ 445 milhões em 2018. Macapá (AP) e Boa Vista (RR) tiveram redução de 3,5% e 0,6%, respectivamente.

O estudo da FNP aponta também as maiores despesas por aluno entre os municípios selecionados do Norte. São elas: Araguaína (TO), com R$ 7.880,17; Boa Vista (RR), com R$ 7.707,55; Palmas (TO), com R$ 6.976,01; Rio Branco (AC), com R$ 6.914,21; e Belém (PA), com R$ 6.773,62 por estudante.