Colunistas

Coronel chama grevistas de vagabundos e parte para confronto com deputado de oposição

A confusão anunciada semana passada foi concretizada na manhã desta terça-feira, durante o primeiro dia de greve dos servidores da Secretaria de Saúde do Estado do Acre (Sesacre). O confronto entre manifestantes e gestores da Sesacre foi registrado na sede da secretaria, no edifício sede do extinto Banco do Estado do Acre (Banacre), na esquina das avenidas Marechal Deodoro e Benjamin Constant, no cento de Rio Branco. Tava na cara que haveria ,afinal, houve até troca menagens agressivas em grupos de whatsapp.

Centenas de grevistas entraram na Sesacre para convidar os servidores e foram  contidos pelos gestores que acionaram seguranças e policiais militares, dando início a uma confusão generalizada. O secretário-adjunto executivo da Secretaria de Saúde, coronel do Exército Brasileiro Jorge Rezende partiu para o confronto com o  vice-presidente da Assembleia Legislativa do Aleac (Aleac) deputado Jenilson Leite (PCdoB) e por pouco não foram às via de fato.

“Não vamos aceitar e iremos tomar posicionamentos na Assembleia e ver quais medidas poderão ser tomadas com relação a essa agressão. Nunca tinha visto isso antes”, afirmou o deputado. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do Estado do Acre (Sintesac), o movimento é pacífico. “Estamos com uma comissão indo aos setores chamar o pessoal para fortalecer a greve. A greve continua e vamos deliberar o local de concentração de amanhã. Nossa saúde não pode ficar nas mãos de pessoas assim”, afirmou Adailton Cruz.

Sem consenso

Ainda nesta terça-feia, houve reunião entre a direção do Sintesac e representantes do governo estadual, mas ambos os lados não chegaram a um consenso. Por isso, a greve continua por tempo indeterminado.

Documento

Ainda segundo o presidente do Sintesac, as pautas que a categoria reivindica desde janeiro,  o governo não se compromete com data de concretização e consolidação de nenhuma. O governo deve enviar  documento oficial nesta quarta-feira.

Condicional

O comando de  greve da Sesacre decidiu que se o governo  mudar de ideia e atender as reivindicações, o Sintesac coloca em apreciação da categoria. No entanto, se a conversa for a mesma desta terça-feira, a greve continua.

Reivindicações

As principais reivindicações da categoria são a regulamentação do Pró-Saúde, melhoria nas condições de trabalho, concurso público, revisão do plano de carreiras e salários e definição da etapa alimentação.

O pivô de tudo

Secretária de Saúde, Mônica Feres não foi  vista na Sesacre na manhã desta terça-feira, 10, durante a manifestação dos servidores. S ela foi cegou  muito cedo e ficou trancada em seu gabinete. Ela é apontada como o pivô de tudo.  

Em sintonia

Ao que parece, a secretária de Saúde e o secretário adjunto agem em perfeita sintonia.Em julho, alguns dias depois da posse, a secretária afirmou que 80 dos servidores não queriam trabalhar. Nesta terça, o secretário adjunto classificou os trabalhadores como “vagabundos”.

Atraso

Um pequeno confronto de ideias entre governo estadual e Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird), resultou no atraso das oras do Museu dos Povos Acreanos, no antigo Colégio Meta, na esquina das avenidas Marechal Deodoro e Epaminondas Jácome, no centro da cidade.  

Só ano que vem

Antes de viajar a Alemanha o governador Gladson Cameli (PP) decidiu que a Secretaria de Segurança Pública será instalada no segundo andar do prédio. No primeiro andar vai funcionar proposta inicial ligada a cultura com exposição do acervo dos povos acreanos. A obra será inaugurada no inicio de 2020.

Faraônica

Secretário de Infraestrutura, engenheiro civil Thiago Caetano, afirma que o governo estadual vai concluir a obra, mas classifica a mesma como faraônica. Os dicionários definem o ermo como  sinônimo de soberba, heroica, esplêndida, alterosa, augusta, fabulosa, gigantesca e grandiosa.

#  Governo estadual editou nota para repudiar o que chama de “ampla, geral e irrestritamente a inclusão de movimento político-partidário nas supostas manifestações do Sindicato dos Servidores da Saúde (Sintesac)”. Para o governo, situações pontuais do protesto ocorrido na manhã de hoje foram oportunistas e destoam do movimento legítimo proposto pelos representantes de classes.

Assinada pelo secretário de Relações Políticas e Institucionais, Alysson Bestene, a nota também repudia a agressão verbal e física e aponta que a discussão envolvendo o diretor da Sesacre, Coronel Jorge Fernando Rezende, pode ter sido induzida pelo deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB).

O prédio da Sesacre, segundo a nota, sofreu depredação. “(…) diante da invasão desnecessária da sede da Secretaria de Estado de Saúde, foi legitimamente registrada pelo sistema de segurança. As imagens estão sendo colocadas à disposição da polícia para as devidas apurações e serão entregues aos órgãos judiciais responsáveis”.

A equipe do governo informa que Gladson Cameli tem se pautado pelos diálogos constantes e a valorização dos servidores públicos.

PANORÂMICAS

# A confusão registrada na Sesacre teve repercussão de imediato na Aleac.

# O  líder do PCdoB, deputado Edvaldo Magalhães, exigiu que a direção da Secretaria de Saúde peça desculpas aos servidores.

# O deputado comunista classificou o secretário adjunto de Saúde, coronel Jorge Rezende como “coronelzinho”.

# Até p deputado Neném Almeida (sem partido) repudiou a atitude do coronel.

# Neném exigiu respeito aos trabalhadores em saúde sobretudo aos líderes sindicais.

#  Deputado Roberto Duarte Junior (MDB) também ocupou a tribuna e disse que, o deputado Jenilson leite e os servidores agredidos pelo coronel devem prestar queixa-crime contra o agressor.

# Segundo Duarte, o problema dos servidores, que desencadeou na greve começou há muito tempo quando o governo não quis conversar com os funcionários.

# Deputados estaduais vão convocar a secretária de Saúde, Mônica Feres, para exigir explicações sobre a greve.

# Ao mesmo tempo, pretendem registrar um Boletim de Ocorrência na delegacia contra o secretário-adjunto Jorge Resende.

# A decisão de convocar a secretária de saúde foi tomada durante encontro no centro do plenário entre deputados, sindicatos e o comando de greve.

# O líder do governo na Aleac, deputado Luiz Tche (PDT), mesmo respeitando o movimento, foi vaiado pelos servidores.

# Deputado Fagner Calegário (sem partido) desafiou o secretário-adjunto de Saúde, coronel Jorge Resende, para sair na porrada com ele.

# “Se ele quer brigar com servidores e deputado aqui está um que sai na porrada com ele”, provocou.

# Se o Resende topar o desafio teremos um combate entre um coronel do Exército e um deputado e mestre em Taekwondo.

# Um bom dia ao jornalista Rutemberg Crispim, o novo chefe de gabinete do governador e à nova coordenadora de gabinete, Rosângela Pequeno.

Artigos Publicados

A prefeita e o candidato do governador

Senador é criticado por algo que deveria ser elogiado