Colunistas

Governo lança campanha "Acre Pela Vida" e tenta criar cultura de paz

Antonio Muniz

“Acre pela Vida - Uma Cultura de Paz”.  Eis o nome da campanha lançada na manhã deste domingo, na Biblioteca Pública Estadual, pelo  governador Gladson Cameli (PP), em um encontro que reuniu  representantes das forças de segurança, do Judiciário, Legislativo, Ministério Púbico Estadual, Ministério Público Federal, bancada federal e deputados estaduais. Faltou energia. Por isso, o encontro terminou no Palácio Rio Branco.

O governo quer combater o crime organizado e reduzir os números alarmantes da violência, sobretudo em Rio Branco. A violência chegou a um nível alarmante e insustentável. Em apenas 40 dias do novo ano, 56 homicídios foram registrados, muitos com requintes de crueldade, como decapitação e esquartejamento das vítimas.  Para agravar, ainda mais a situação, temos assaltos praticamente todas as horas.

Cerca de 70% dos casos foram registrados  em Rio Branco, colocando a cidade entre as mais violentas no ranking das capitais brasileiras Por isso, não há maia como o governo usar maquiagem e tentar esconder uma realidade que todos estão a presenciar. Também não há mais clima para tentativa de setores do governo de querer falsear a  verdade e debitar as cobranças por soluções à politicagem e a setores mais exagerados sensacionalistas da imprensa acreana.

O projeto  “Acre pela Vida” tem vários objetivos, mas os dois principais são: prevenção e repressão. A finalidade é combater as execuções e outros crimes de uma maneira integrada, com o auxílio de todos os poderes e modernizar o sistema penitenciário, além de ampliar a ação dos serviços de inteligência. No que se refere à questão preventiva, o programa prevê mais investimentos  na educação, sobretudo na áreas cultural, esportivas e e lazer, buscando uma integração da polícia comunitária com os moradores dos bairros.

 O começo

Segundo informações, a ações começarão em comunidades com maior incidência de crimes como Cidade do Povo, hoje dominada pelas facções, Taquari, bairros da regional Calafate e Baixada da Sobral.

Central de Resultados

Ainda segundo membros da cúpula da Segurança Pública, será montada uma Central de Resultados ligada diretamente ao Gabinete do Governador, com a participação das secretarias, para acompanhar a evolução das metas a serem alcançadas.

Integração

O governo vai colocar seu aparato de forma integrada no combate ao crime. O amadorismo de outrora será substituído por ações mais inteligentes e profissionais. Se os objetivos serão ou não atingidos, só o tempo dirá, mas algo de novo acontecerá.

Números

Mais de 80% dessas mortes foram praticadas com armas de fogo e apenas 20% dos assassinatos foram elucidados. Dos 6 homicídios, 13% foram de mulheres. Quatro mortes ocorreram por intervenção policial. São homens e mulheres na faixa etária de 15 e 29 anos, ou seja, juventude.

Sonho impossível

O governador Gladson Cameli (PP) sonha em, ao menos no que se refere à Segurança Pública não sofrer com os ataques da oposição. Mas esse é um sono impossível. Claro que a oposição vai continuar a criticar. Mas tem interesse em atrapalhar.

Investimentos

Os investimentos na ordem de R$ 1 bilhão, anunciados pelo governo ainda no ano passado, precisam e devem sair do papel. O governo precisa e deve gerar emprego e renda na capital e interior. Gerar emprego é combater a violência.

Desemprego

Em Rio Branco há mais de 100 mil pessoas sem nenhuma atividade econômica. Claro que o número de e desempregados é bem maior. Estamos falando de gente sem nenhuma atividade econômica, sem bico, sem biscate.

Contestação

Aos afirmar que em Rio Branco havia cerca de 50  roubos, o deputado Neném Almeida (Sem partido) acabou sendo duramente contestado. Se se somarmos os caos de furtos e roubos popularmente conhecido como assaltos, os números chegam bem próximos.

Sem formalidade

Sem acreditar mais na elucidação dos crimes, a maioria das vitimas de furtos e roubos (assaltos) não presta mais queias à Polícia. Por isso que, oficialmente, os índices de violência, nesse setor, diminuíram.

Precisa melhorar

Claro que melhorou muito em relação ao governo anterior, mas as delegacia precisam se modernizar e atender melhor às vítimas de furtos e roubos. As pessoas, normalmente, encontraram dificuldades para registrar queixa for alizar Boletim de Ocorrência (BO).

Casos chocantes

No bairro Bosque, uma comerciante foi assaltada sete vezes. Mesmo assim, ela conseguiu se manter no mercado. Mas depois os ladrões invadiram a loa n meio da note e elevaram tudo, até as portas da loja.  No Xavier Maia, uma contadora teve que abandonar a casa após ser assaltada várias vezes.

No escuro

Pegou muito mal para a Energisa a falta de energia na abertura da Campanha: “Acre pela Vida - Uma Cultura de Paz”, na amanhã deste domingo, na Biblioteca Pública Estadual. Governador e autoridades convidadas tiveram que terminar o evento no Palácio Branco.

# Governador do Acre, Gladson Cameli, apoia as estratégias do governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), no combate à criminalidade e do pensamento de que bandidos armados têm que ser eliminados e os policiais que os enfrentam, ao invés de serem punidos, têm que ser apoiados.

Em entrevista na manhã deste domingo, (9), no na Biblioteca Pública Estado “Adonay Santos”,  no Centro de Rio Branco, onde houve o lançamento da campanha “Acre Pela Vida” , em reunião com os chefes de poderes e outras autoridades estaduais federais para discutir a violência e outros problemas na área de segurança pública.

A reunião não contou com a participação do vice-governador Wherles Rocha (PSDB), que segundo informações, estaria em viagem oficial ao Peru. Com quase 50 mortes nos primeiros dias do ano de 2020, o Acre já figura na estatísticas como o segundo estado mais violento do país, ficando atrás apenas do Rio Grande do Norte e do Rio de Janeiro.

Apesar de não utilizar a expressão usada por Witzel: “bandido bom é bandido morto”, Gladson Cameli disse que comunga do pensamento do colega do Rio de Janeiro e não o externou antes porque não lhe foi perguntado. A prefeita de Rio Branco, Socorro Neri (PSB) também participou do evento.

PANORÂMICAS

# Rio Branco teve que se acostumar com a cultura de violência.

# Antes, as pessoas promoviam festa na arpe afrontar ou lateral da casa.

# Agora, tudo acontece nos fundos do quintal, com seguranças controlando a entrada e saída de gente.

# A Energisa deveria respeitar ao menos uma reunião como a que ocorreu neste domingo.

# A empresa que controla a Eletroacre, sequer emitiu nota explicando a presepada.

# Apesar da iluminação deficitária e com o calor, a reunião começou às 10h40m.

#“O que eu penso é que o bandido tem que saber que ele tem limites”, a frase é do governador Gladson Cameli.

# O governo tem que estabelece tolerância zero para bandido.

# Mandar os chefes de facção quando são presos apagar a sueira que estão fazendo na cidade.

# Em pouco tempo, as facções demarcaram a cidade. Isso comprova a fraqueza do Estado.

# Governador Gladson Cameli afirmou que o homem da segurança sempre foi ele.

# Claro que na condição de governador, ele tem que ser o responsável poe tudo.

# Mas Cameli deixou claro ainda na campanha, que o cara da segurança seria Wherles Rocha.

# As nomeações nos órgãos de segurança foram indicadas pelo vice-governador Wherles Rocha.

# Um bom dia às autoridades que participaram do lançamento da Campanha Acre Pela Vida. Que as propostas não fiquem apenas no papel.

 

Artigos Publicados