Colunistas

Números da pesquisa FSB-Veja preocupam partidos de esquerda

Números da pesquisa FSB-Veja preocupam partidos de esquerda do Instituto FSB e pela revista Veja, revelados nesta seta-eira, 6, deixam os partidos de esquerda que sonam em voltar a governar o Brasil profundamente preocupados. Se as eleições presidenciais fossem hoje, o Presidente Bolsonaro (sem partido) seria reeleito sem dificuldades. É isso que revela  pesquisa divulgada nesta sexta-feira (6) pelo Instituto FSB e pela revista Veja.

Pelos dados que avaliou diversos cenários eleitorais possíveis para 2022, Bolsonaro ganharia do presidiário condenado no segundo turno com diferença de cinco pontos percentuais. Mas passaria com facilidade por Fernando Haddad, Ciro Gomes Luciano  e João. Bolsonaro só teria dificuldades para garantir a reeleição se o ministro da Justiça, Sérgio Moro entrasse na disputa.

Na disputa com o também petista Fernando Haddad como o nome do PT para 2022, Bolsonaro receberia 33% dos votos; Haddad, 15%; Luciano Huck, 12%; Ciro Gomes, 11%; Amoedo, 5%; e Dória, 3%. No segundo turno, porém, o atual presidente ampliaria a distância do PT: Bolsonaro teria 47% dos votos e Haddad 32%.

Numa disputa entre  e Lula e Moro nas eleições de 2022, o ministro da Justiça também ficaria à frente do presidiário que ele mandou prender. Moro teria 32% dos votos e Lula 29% no primeiro turno. E essa distância se ampliaria no segundo turno: 48% x 39%. Se a disputa fosse entre Moro e Haddad, o ex-juiz também ganharia. Em um possível segundo turno, ele teria 52% dos votos e Haddad, 29%.

Em um cenário com  Bolsonaro, Moro e Haddad, o Presidente teria 28% dos votos; Haddad, 16%; Moro, 15%; e Huck, 13% no primeiro turno. Caso acontecesse um segundo turno entre Bolsonaro e Moro, contudo, haveria um empate técnico.  A pesquisa aponta 36% de votos para Bolsonaro e outros 36% para Moro, além de 2% de votos brancos e 7% de nulos. Nesse cenário, 18% dos entrevistados não votaria nem em Bolsonaro nem em Moro e 1% não respondeu.

Consolidação

Sergio Moro tem sua liderança ainda mais clara quando os entrevistados foram questionados sobre quem poderia receber o seu voto em 2022. Neste caso, 56% disseram que poderiam votar em Moro, 49% em Bolsonaro, 47% em Luciano Huck, 43% em Lula e 36% em Ciro Gomes.

Baixa rejeição

Quando a pergunta é invertida para “em quem você não votaria de jeito nenhum”, Moro também registra a posição mais confortável, com 35% dos votos. Já a maior rejeição é de Haddad. O petista tem 60% dos votos. Lula tem 56%, Ciro com 54%, Dória com 52% e Bolsonaro com 48%.

Sem credibilidade

Ainda segundo a pesquisa, 35% dos brasileiros classificam o governo de Jair Bolsonaro como ruim ou péssimo, 31% dizem que o governo é regular e outros 31% classificam o trabalho do Executivo como bom ou ótimo.

Desmoralizados

Já o Congresso é visto como ótimo ou bom por apenas 12% dos entrevistados. O Legislativo ainda recebeu 36% de avaliações regulares e 48% de avaliações ruins ou péssimas. Os congressistas estão desmoralizados.

Reação positiva

Os dados mostram que a rejeição ao governo Bolsonaro variou para baixo entre outubro e dezembro, saindo de 37% para 35%. As expectativas de que o governo seria melhor ou muito melhor que o esperado variaram para cima, passando de 27% para 29%.

Melhores ministros

Na equipe ministerial, Moro e Paulo Guedes têm a melhor avaliação ministerial. Moro é apontado como o melhor ministro de Bolsonaro por 24% dos entrevistados, bem acima do segundo colocado: Paulo Guedes (Economia), com 7% dos votos.

Empatados

Na terceira posição, empatam com apenas 1% dos votos Abraham Weintraub (Educação), Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).

Desespero

Os partidos de esquerda entraram em desespero com os dados da pesquisas. Claro que muita coisa pode mudar até 2022, mas os dados não deixam de ser um referencial. Os melhores e mais fortes candidatos são, assumidamente, da direita.

Sem discurso

A esquerda tina apenas um discurso: Lula livre. Como o STF decidiu soltar Lula ele agora é um condenado em liberdade vigiada e preso às amarras da corrupção. Onde ele mete o focinho é reprimido pelo público que não perde a oportunidade de gritar: “Lula ladrão, seu lugar é a prisão”.

# Na tarde dessa sexta-feira (06/12) o auditório do Sebrae-Acre, em Rio Branco, sediou uma Sessão Pública, com o secretário Especial de Assuntos Fundiários, Nabhan Garcia, para tratar sobre a regularização fundiária no Acre.

O evento contou com a presença de vários produtores rurais do Estado, que buscavam informações sobre as perspectivas para a regularização das terras que possuem.

Durante o evento, a dederal Mara Rocha (PSDB-AC) anunciou a realização de uma Audiência Pública da Comissão de Agricultura, da Câmara dos Deputados, em Rio Branco, para discutir a implantação de Polícia Rural no Acre.

"Embora a criminalidade nas cidades monopolize a atenção da mídia e da sociedade, o crime, em especial o furto e o roubo à mão armada, cresceu nas propriedades rurais, mantendo em risco constante os bens e a segurança pessoal dos produtores e de suas famílias", afirma a parlamentar.

Mara Rocha ressaltou que alguns estados já possuem programas específicos de segurança para o setor rural: “Essas experiências precisam ser compartilhadas para fomentar e difundir o conhecimento e boas práticas de segurança pública na zona rural. Precisamos fazer uma política consistente e integrada de prevenção e combate à violência", declarou.

A audiência deverá ocorrer em março de 2020, e contará com a presença de parlamentares e de autoridades de segurança pública do Acre, além de membros da segurança pública de Goiás, Rio Grande do Sul, Paraná e Distrito Federal, que compartilharão suas experiência na implantação de programas de segurança no meio rural.

PANORÂMICAS

# Diretor-presidente do Departamento de Estadual de Trânsito do Acre (Detran-AC), Luiz Fernando, demitiu, nesta sexta-feria, 6, o diretor de Operações, Isaías Brito.

# A demissão foi determinada pelo governador Gladson Cameli (PP) que, encontra-se em São Paulo.

# Policial Militar e parte integrante do grupo político do vice-governador Wherles Rocha, Brito foi demitido por ter externado sua insatisfação no grupo de whatsapp dos servidores do Detran.

# O governador ter publicado decreto remanejando R$ 6 milhões, dos R$ 15 milhões que a autarquia tinha em caixa, aos cofres do Estado. Isaias não gostou, esbraveou e dançou.

# Quem gostou da exoneração de Isaias foi o diretor-presidente Luiz Fernando.

# Fernando é do grupo político do senador Sérgio Petecão, que não se une com o grupo de Rocha.

# Vítima de falência múltipla de órgãos, morreu no início da noite desta sexta-feira, 6, o empresário do ramo de auto escola, despachante de veículos e postos de combustíveis Eliazar Machado, 64 anos.

# Acreano de Cruzeiro do Sul, Machado deixa a esposa, dona Maria Auxiliadora Machado e quatro filhos: Kariene, Junior e Keyla e Rosana.

# Deputada federal Mara Rocha (PSDB-AC) vai encerrar o primeiro ano de mandato no mesmo ritmo em que começou. É o grande destaque da nossa bancada federal, em Brasília.

# Um bom-dia e muita força aos meus amigos Eber, Elon, Rômulo e Thiago, irmãos do meu amigo empresário Eliazar Machado, que nos deixou na noite desta sexta-feira.

Artigos Publicados