Colunistas

O inferno astral da secretária que veio de Brasília para resolver problemas na Sesacre

Odiada pela maioria dos servadores da Sesacre e criticada pelos deputados, tanto os da oposição quanto os da situação, além de questionada, constantemente, pela imprensa. É assim o cotidiano da secretária de Saúde, Mônica Feres, uma ilustre desconhecida que veio de Brasília com a missão de resolver um dos maiores problemas da gestão estadual.    

Na sessão desta quarta-feira, por exemplo, mais uma vez, os problemas na Sesacre voltaram a pautar o debate no plenário da Assembleia legislativa do Acre (Aleac). Quem deu o tom das criticas foi o deputado Roberto Duarte Junior (MDB), partido que detém grande espaço na gestão estadual. Segundo ele, o novo Pronto Socorro, continua com os velos problemas.

Duarte também levantou suspeitas de fraude no processo  seletivo da Sesacre, homologado recentemente. Segundo Duarte, não há como explicar um hospital novo, recém-inaugurado que veio para somar, piorar a prestação do serviço. E sem conta que ainda tem a possibilidade de fraude no processo seletivo onde candidato zera na matéria e é aprovado”, disse o parlamentar.

A deputada Antônia Sales (MDB), que compõe a mesa diretora da Aleac, afirmou que já se passou alguns meses e a secretária ainda não justificou sua nomeação. “Eu não tenho nada de bom para falar até o momento. Na fila do TFD (Tratamento Fora do Domicílio)  já são de 12 mil pessoas. O povo está sofrendo nas filas e a gente não vê uma solução. Um atitude positiva”, afirmou.

O vice-presidente da Casa, deputado Jenilson Leite (PSB) também criticou a saúde e destacou novamente a falta de diálogo de Mônica Feres com os servidores. Usando uma publicação nas redes sociais, o parlamentar pediu que o governo se posicionasse a uma possível declaração do comandante da Polícia Militar ameaçando grevistas.

 O ex-líder do governo, deputado Gerlen Diniz (PP), afirmou que que ainda é cedo para cobrar a secretária. “Ela está apenas três meses no cargo. Os problemas não são de agora. São de décadas. É muito fácil deputado vir criticar e não apontar soluções. Diniz citou o deputado Edvaldo Magalhães, líder do PC do B.

O deputado comunista usou a tribuna para dizer que ele ainda não tinha se manifestado na sessão sobre a saúde, mas  a própria base governista tem denunciado os descasos na Sesacre. “O Gerlen citou meu nome para não falar da base. Tudo bem, mas quem faz as cobranças mais duras são os membros do próprio governo”, afirmou.

O líder do governo, deputado Luiz Tchê (PDT), admitiu problemas na saúde e queria provas de que o governo esteja coagindo servidores com a suposta declaração do comandante da Polícia Militar. “Problemas existem, mas devemos ser mais abertos ao diálogo. Não vamos nos basear em falatório. Vamos conversar”, disse.

 Vazamento

Vazamento de áudio, no qual o presidente da Emater, Tião Bocalom, reclama do Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) está a tirar a paz do novo integrante do governo. No mesmo dia também vazou menagem de texto de Weber Gonçalves, da Seinfra.  

Retirada de piçarra

No áudio vazado, Bocalom reclama que o Imac estaria, supostamente, dificultando retirada de piçarra que será usada na recuperação de ramais. Claro que não há nada demais, mas mostra que tem gente querendo predicar alguém.

Diferença é grande

No início do mês passado, em entrevista ao programa Tribuna Livre, na TV Rio Branco-SBT, Bocalom afirmou que entre os órgãos do setor produtivo avia perfeita sintonia e citou o Imac. Pelo visto, a sintonia perfeita existe apenas no papel.

Apenas o começo

O que ocorreu com o presidente da Emater-Acre, Tião Bocalom e com Weber Gonçalves, assessor da Seinfra, e o comando da PM, os primeiros de muitos vazamentos que serão registrados. Tal fato poderia ter sido evitado se houvesse critérios nas nomeações.

Infiltração

Está mais do que comprovado:governo que não filtra cargos comissionados, acaba sendo vítima de infiltrações e vazamentos. Afastar os petistas agora já é muito tarde. Eles já fizeram bastante gravações de áudio e vídeos e já arquivaram muitas menagens nos grupos de whatsapp.

Uma vergonha

Tião Bocalom classificou o vazamento do áudio como uma vergonha. “É o governo jogando contra o próprio governo”, afirma. Não há nada demais nos três vazamentos, mas causam desgastes ao governo. 

Fogo amigo

Secretário de Educação, professor Mauro Sérgio estaria sendo vítima do chamado “fogo amigo”. Ou seja, gente do próprio governo estaria interessado em queimar sua imagem junto ao governador Gladson Cameli.

Tem sentido

Em parte, há sentido. No caso das demissões de professores contratados em caráter provisório foi um festival de lambança.  Falaram ao governador que Mauro teria agido de forma politiqueira no processo seletivo. Algo sem sentido.

Explicação

Mas ao mesmo tempo, a Secretaria de Educação deve uma explicação logica no caso da professora de Língua Portuguesa Leila de Figueiredo Silva. Ela foi aprovada em concurso, mas até ontem não havia sido chamada para tomar posse.

Candidata

Deputada Vanda Milani (SD) também é candidata à Prefeitura de Rio Branco. Ela conta com apoio do presidente nacional do SD, Paulino da Força.  Procuradora de Justiça, Vanda quer construir uma candidatura alternativa aos que querem mudar com segurança.

# Semírames Dias  tem mais motivos para continuar no Tribunal de Contas do Estado (TCE) do que para voltar a ser secretária de Fazenda.O salário dela no TCE, somando à função gratificada é praticamente igual ao de secretária. No TCE ela tem menos responsabilidade, está longo do holofotes e não fará nada que contrarie seus princípios. Na verdade, quem quer que ela volte à Sefaz não é apenas o governador, mas também o conselheiro do TCE, Antônio Malheiros, responsável direto por sua indicação para o cargo ainda no processo de transição de governo, em outubro de 2018. Tal ato comprova que a chamada “República do TCE” continua firme e forte no governo progressista. Na noite de quarta-feira, ela saiu do gripo de whatsapp do governo, mas vai voltar. Pelo que comentou com amigos, deve voltar ao cargo na próxima semana.

PANORÂMICAS

# A disputa eleitoral em Rio Branco não será definida em primeiro turno.

# Se confirmar sua candidatura, a prefeita Socorro Neri (PSB) disputará o segundo turno com o candidato do governador Gladson Cameli (PP), seja lá quem for.

# Portanto, quem se lançar candidato nesse imprensado já entra sabendo que a chances de vitória são remotas.

# Sei que estou a deixar muitos descontentes e outros irritados, mas sou realista e não sonador.

# Além disso , os candidato que eu vi se lançando, ao têm propostas e tampouco estrutura partidária.

# Muitas lideranças do PP não aceitam a imposição da senadora Mailza Gomes como presidente.

# Tais lideranças trabalham de forma silenciosa e afirmam que vão exigir cumprimento do estatuto.

# Em resumo: vai defender eleição pra escolher o melhor nome, quem mais hisptira e quem tem mais afinidade com a sigla.

# Feriado desta quinta-feira (Dia da Amazônia), na rede pública estadual, foi adiada para sexta-feita.

# Ao vetar projetos, Gladson Cameli conseguiu unir situação e oposição contra o governo. 

# Deputado Roberto Duarte (MDB) responsabiliza o governo e encrenca entre OAB-Acre e o Poder Judiciário.

# CPI dos Consignados é criada na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac).

# Deputado Chico Viga (PHS)apresenta projeto de lei criando o auxilio absorvente.

# Além de polêmico e diferente é inconstitucional. O Legislativo não pode legislar criando despesa ao Executivo.

# Mas Viga pode apresentar anteprojeto. A iniciativa é válida e tem largo alcance social.

# Vendaval da tarde de quarta-feira arrasou com a sede da Sepa, Emater e Cageacre.

# Um bom dia à deputada federal Mara Rocha (PSDB-AC),  a única do Acre a votar contra o aumento do Fundo Partidário.

Artigos Publicados