Colunistas

Maus presságios

Existirá outra via, que não a política, que possa nos desviar do caos?

A política pode ser o ato nobre de prezar pelos interesses da população, ou a infame arte de enganar a própria população em prol dos seus próprios interesses. Entretanto, segundo William Shakespeare: veio o demônio e inventou o homem político. E o pior: apenas uma minoria deles, após eleitos, passa a cuidar dos interesses públicos. 

A política, se praticada conforme os filósofos que a inspirara, jamais teria se transformado numa confrontação de interesses e ódios, e sim, no único instrumento capaz de tornar possível a convivência entre as pessoas, por maiores que sejam as suas diferenças.

Entretanto, mundo afora, e em especial, no nosso país, a tal invenção do demônio, o tal homem político, quando chega ao poder, salvo honrosas exceções, passa a se preocupar com os interesses públicos, e como resultado disto, a política vem pendendo os seus objetivos fins.

Vejamos o que previu, e muito acertadamente, um dos maiores filósofos que a humanidade conheceu, no caso, Platão: “Não há nada de errado com aqueles que não gostam de política, simplesmente serão governados por aqueles que gostam”.

Daí a pergunta que não pode calar: por que os maus políticos existem? Primeiro porque, eles não apenas gosta como são os mais interessados, pois é através da política que eles tiram seus próprios proveitos. Segundo porque, eles são eleitos exatamente por aqueles que não participam dos processos eleitorais. Em síntese: quando os bons eleitores não votam estão elegendo os maus políticos. Simples assim!

O desinteresse pela política é a causa que tem determinado a péssima qualidade da nossa representação política. Portanto, quem não gosta da política é cúmplice da sua degradação e jamais vítima. A propósito, votar não é, além de um direito, um dever.

A democracia não é um regime perfeito, até porque, por mais que se tenha buscado, ainda não se encontrou nenhum outro à altura de substituí-lo. Assim sendo, e sem substituto, resta-nos melhorar a nossa, do contrário, tal qual a cantiga da perua tudo continuará de pior a pior.

Este ano, por exemplo, serão escolhidos os prefeitos dos 5.560 municípios do no país e serão eles que irão cuidar dos serviços públicos mais necessários e urgentes de suas populações. Daí a necessidade de sua ativa participação na atividade política, pois só assim, da mesma forma que é sempre possível se separar o joio do trigo, podemos derrotar os maus e eleger os bons políticos.

Mas para tanto, não faça do seu voto uma mercadoria, ainda que, muitos procure comprá-lo.

 

Artigos Publicados

Vencer

Qual o tamanho?

Venha de onde vier

Vida sim, morte não

É assim mesmo