Colunistas

Preocupante

 Jair Bolsonaro é racista, misógino e violento. 

Em visita a cidade de Pelotas/RS, o presidente Jair Bolsonaro disse, em alto e bom som, que se a “esquerdalha” voltar ao poder na Argentina, o Estado do Rio Grande do Sul será o primeiro refúgio dos argentinos, a exemplo do que está acontecendo com levas e mais levas de venezuelanos que buscam refúgio no Estado de Roraima ao fugirem do regime do truculento Nicolás Maduro.  

Em resposta a grotesca e inaceitável interferência do presidente Jair Bolsonaro nas eleições argentinas, o candidato da tal “esquerdalha”, Alberto Fernández, deu-lhe a resposta a seguir e que encabeça este artigo: “Jair Bolsonoro é racista, misógino e violento”.

A declaração do presidente Jair Bolsonaro chegou aos ouvidos dos eleitores argentinos, porém em desfavor da reeleição do atual presidente Maurício Macri, o candidato da sua preferência. A provar que sim, basta verificarmos a retumbante vitória obtida pelo candidato Alberto Fernández, o “esquerdalha” que o nosso presidente pretendia que fosse derrotado. 

Se a vitória do candidato Alberto Fernandez, em definitivo, ainda não deve ser comemorada, porquanto a referida disputa ainda não chegou ao fim, os resultados já obtidos estão a sugerir que sim, até porque, muito dificilmente o atual presidente Maurício Macri conseguirá reverter os resultados revelados nas suas eleições primárias, a primeira etapa do processo eleitoral argentino. 

Ao invés de se quedar a soberania do povo argentino, eis que vem o presidente Jair Bolsonaro e torna público à seguinte aberração: “os bandidos estão voltando ao poder”, numa referência direta a vantagem eleitoral obtida pelo candidato Alberto Fernández. 

Em se confirmando a vitória do candidato Alberto Fernández, o que parece bastante provável, até mesmo o acordo Mercosul/União Européia, corre sérios riscos, posto que, sua materialização depende do apoio do presidente da Argentina que vier a ser eleito nas suas próximas eleições.  

O presidente Jair Bolsonaro não entendeu, e o pior, parece não querer entender, que entre países não existem amizades, e sim interesses. Portanto, ao se intrometer nas eleições da Argentina, e da forma politicamente equivocada e errática como vem se portando, só nos trará prejuízos. Não menos prejudicial poderá ser o seu comportamento em relação às eleições dos EUA, e a forma como vem defendendo a reeleição do seu atual presidente, Donald Trump.

Particularmente concordo com o que disse o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia: o presidente Jair Bolsonaro é uma usina de crises. A provar que sim, apenas nas duas últimas semanas ele saiu comprando brigas com vários países, entre eles, a França, a Alemanha e a Noruega, entre outros. 

Artigos Publicados

A ver!

Quanto vexame!

Abuso de autoridade

Incômoda adaptação

Nem podia e nem devia