Colunistas

Ser Juiz

Por mais nobre que seja a causa, mais justo deve ser o juiz. Não se deve combater um crime praticando outro.  

01 - Três coisas devem ser feitas por um juiz: ouvir atentamente, considerar sobriamente e decidir imparcialmente.  Autor: Sócrates.

02 - Causam menos danos cem delinqüentes do que um mau juiz. Autor: Francisco de Quevedo.

03 - Se, por vezes, o juiz deixar vergar a vara da justiça, que não seja sob o peso das ofertas, mas sob o da misericórdia. Miguel de Cervantes..

04 - Guardem-se os juízes das conclusões duras e das interferências desmedidas. Autor: Francis Bacon.

05 - Infeliz a geração cujos juízes merecem ser julgados. Autor: Talmud.

A Operação Lava-Jato recebeu o apoio praticamente unânime da nossa população, já no seu nascedouro, posto que, a nossa corrupção se encontrava num nível tão elevado que algo precisaria ser feito no sentido de combatê-la, até porque, a corrupção é um dos cupins, pelos ao menos, moralmente, ainda que não fiscalmente, que mais estava corroendo a nossa República.  

Nossa corrupção encontrava-se tão espraiada que coube ao então juiz Sérgio Moro defini-la como sistêmica. E tudo nos levava a crer que sim, e não apenas na Petrobrás, assim como em  vários órgãos das nossas máquinas públicas.

Lamentavelmente, o Operação Lava-Jato e os seus integrantes, em particular, o Juiz Sérgio Moro e o procurador Dalton Dellagnol, pouco ou nada fizeram no sentido de modificar o nosso sistema, a exemplo do que havia acontecido com a investigação que a inspirara, no caso, a Operação Mãos Limpas, ocorrida na Itália. Resultado: lá a corrupção continuou igual ou pior. Lá a sua economia foi altamente prejudicada. Cá também já foi. Lá, a sua estrutura partidária foi destroçada e possibilitou a eleição de Sílvio Berlusconi, e cá, na eleição de Jair Bolsonaro. Lá, alguns integrantes da Operação Mãos Limpas largaram a toga a ingressaram na atividade política. Cá, pelo ao menos o ex-juiz Sérgio Moro já foi picado pela mosca.  

Como na atividade política, diferente da atividade jurídica, não raramente, surgem pedras em seus caminhos, quando menos esperava, no seu caminhar, o hoje Ministro da Justiça, Sérgio Moro, encontrou uma pedra chamada Glenn Greenwald, e o pior, acusando-o de ter agido como um juiz parcial enquanto esteve à frente da Operação Lava-jato.

Ironias das ironias: de julgador que foi, por certo, muito a contragosto, o ex-juiz Sérgio Moro já começou a ser julgado, inclusive pela população que outrora o tinha na conta de herói, e a depender da espertice do jornalista Glenn  Greenwald e do seu estoque de informações, do qual diz dispor, tudo poderá acontecer.

 

Artigos Publicados

A ver!

Quanto vexame!

Abuso de autoridade

Incômoda adaptação

Nem podia e nem devia