Colunistas

Nova onda de ataques à prefeita une oposição e situação na Câmara de Rio Branco

Nova onda de ataques à prefeita de Rio Branco, Socorro Neri (PSB), no último fim de semana, nas redes sociais, acabou unindo vereadores da oposição e situação. Os vereadores João Marcos (MDB), Clézio Gadelha (PSDB), da oposição lamentaram as ofensas à honra da prefeita e deixaram claro que as ofensivas não têm apoio do bloco oposicionista.  

O líder da prefeita, na Casa, vereador Rodrigo Forneck (PT), Artêmio Costa (PSB) e Elzinha Mendonça (sem partido), também externaram solidariedade à prefeita. Clézio Gadelha destacou Socorro Neri como “a melhor prefeita de Rio Branco em toda a história”. Disse que ela é “íntegra, honesta, competente, justa e que herdou uma gestão quebrada e sem recursos”. Para ele, Socorro Neri deveria sair candidata à reeleição. “Se ela decidir sair candidata à reeleição com certeza será bem sucedida”, afirmou o parlamentar. Ele vai trocar o PSDB pelo PSB.

Os ataques à prefeita ocorrem nas redes sociais com pessoas insatisfeitas com sua gestão. Ela manda sempre que seus advogados avaliem o conteúdo, já que as críticas podem se configurar crime. Em conversa com  a prefeita, na noite de domingo, ela afirmou que aceita as criticas, mas não tolera ataques à sua honra. Por isso, vai acionar os autores dos ataques na Justiça.

Recado curto e grosso

Governo mandou recado curto e grosso aos deputados da base na Assembleia Legislativa: quem votar em favor dos vetos será tratado como oposição e não mais como aliado.

Estendido

O recado também teria se entendido aos mesa diretora, notadamente os aliados como o presidente da Casa e o primeiro-secretário, que estariam a  “pegar corda” dos deputados de oposição, numa demonstração de fraqueza ou deslealdade. 

Efeito instantâneo

O recado teve efeito instantâneo, tanto que a votação que deveria ocorrer nesta terça-feira, foi adiada para quarta-feira. Os vetos feitos pelo governo a alguns projetos de lei deverão ser mantidos.

Voto derruba veto

Os deputados da oposição acreditando que o voto derruba o o veto estariam a trabalhar junto à base governista para conquistar os 16 votos necessários a derrubado de vetos. Ou seja, dois terços dos 24 deputados.

Manutenção

Diante do exposto, os vetos serão mantidos e a oposição precisa e preparar para sofrer derrota em plenário. Os deputados governistas podem até “fazer beicinho”, mas na ora do voto serão fiéis não ao governo, mas aos cargos que indicaram.

Rolo compressor

Os aliados do governo entendem que se não funcionar o papo sedutor, será usado o rolo compressor. Se o governo tivesse um intermediador, na Aleac, não precisava chegar ao extremo.

Tinham interesse

Entre os vetos que os deputados tinham interesse em derrubar, destaca-se alteração do Artigo 21 da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) construída em parceria entre o deputado Chico Viga (PHS), técnicos e assessores do governo.

Sem conversa

Depois de distribuir secretarias, diretorias, chefias coordenadorias e centenas de outros cargos menores, o governo não quer mais perder tempo para conversar com deputados.  Quem pode mais, chora menos.

Oito vetos

Além do veto que trata de alteração na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), os deputados vão votar oito vetos do governo projetos aprovados recentemente. Os governistas podem até espernear, mas terão que manter os vetos.

Enquadramento

Os deputado da base governista precisam entender que foram eleitos para apoiar os projetos do governo. Quem não aceitar ser enquadrado, basta fazer como fizeram os deputado Roberto Duarte e Marileide Serafim, ambos do MDB.

# Professor, historiador, advogado e filósofo Sanderson Moura lançou sua pre-candidatura à Prefeitura de Rio Branco, semana passada, em entrevista ao programa Boa Noite Rio Branco, na TV Rio Branco-SBT. Ele foi convidado pelo PSOL, Podemos ou outro partido, que preferiu não revelar o nome.  “Ainda não decidiu por qual partido serei candidato, mas serie candidato em 2020”, garante Sanderson. Projetado nos movimentos populares, sobretudo no estudantil e sindical, Sanderson militou em partidos de esquerda, mas em 2000, filiou-se ao MDB e apoiou a candidatura vitória de Flaviano Melo à prefeitura de Rio Branco. “Serei o candidato mais progressista” afirma.

PANORÂMICAS

# Milhares de servidores públicos estaduais que não procuraram suas respectivas secretarias de origens para fazer o recadastramento, podem ser surpreendidos.

# O contra-cheque pode vir zerado no pagamento deste mês.

# Apesar da campanha feita nos canais de rádio e sites da estatal de comunicação e a imprensa de um modo geral, metade dos servidores públicos não atendeu ao chamamento.

#  São mais de 35 mil servidores espalhados nos 22 municípios acreanos.

# Os dados aumentaram suspeitas de fraude na folha de pagamento.

# O governador Gladson Cameli (PP) já suspeitava disso, sobretudo na Sesacre.

# Afastamentos na segurança pública também chamam atenção no serviço de recadastramento.

# Queda de energia suspendeu a sessão da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), no fim d ama há desta terá-feita, 17.

# Pior para o deputado e pastor Wagner Felipe (PR). Ele estava no elevador quando a energia foi interrompida.

# A Polícia Legislativa foi acionada para ajudar o deputado. A Energisa não explicou o motivo da queda de Energia.

#  Prefeito de Assis Brasil, Antonio Zum (PSDB), foi multado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Ele teria elevado o percentual da despesa com pessoal ao contar professores em caráter provisório.

# Um bom dia ao ex-presidente municipal do PP, advogado Osvaldo Santiago, que quer mudança na direção do partido e defende candidatura própria à Prefeitura de Rio Branco.

Artigos Publicados

Deputado dão prova de amor ao governo e se desmoralizam